Presidente do MPLA reconhece o papel da juventude na mudança do país

Para o presidente do MPLA, a direcção que sair do VIII Congresso da JMPLA, que decorre desde ontem, em Luanda, terá muitos desafios, que passam por contribuir para a materialização do programa do partido sufragado nas eleições gerais de 2017, no que diz respeito à resolução dos problemas da juventude

O presidente do MPLA, João Lourenço, defendeu ontem, em Luanda, que a força de uma nação reside na força da sua juventude, daquilo que ela for capaz de fazer, de realizar de nobre, de épico e de patriótico em prol do bem comum. João Lourenço discursava na abertura do VIII Congresso da JMPLA e disse que não obstante as liberdades e as garantias dos cidadãos asseguradas pela Constituição, é importante que os jovens se deixem guiar de forma consciente por pessoas, partidos políticos e organizações da sociedade civil que sejam idóneos e responsáveis.

Para o presidente do MPLA, a nova direcção que sair deste conclave terá muitos desafios, que passam por contribuir para a materialização do programa do partido sufragado nas eleições gerais de 2017, no que diz respeito à resolução dos problemas da juventude angolana por via da implementação das políticas públicas e na busca de outras sinergias que a JMPLA deve saber mobilizar usando o talento, a criatividade e o sentido de inovação.

No entender de João Lourenço, a JMPLA deve ser porta-voz das principais preocupações e aspirações dos jovens angolanos junto do Executivo, assim como levar para este segmento da sociedade as posições correctas sobre os fenómenos que acontecem.

O também Presidente de República desafiou ainda a JMPLA a mobilizar outros jovens angolanos a se juntarem à campanha de solidariedade que o Executivo, a sociedade civil, empresários, entidades e instituições nacionais e estrangeiras vêm promovendo na mobilização de bens para as populações do Sul do país atingidas pela seca severa que está a fustigar e matar vidas humanas e a animais.

Contra a campanha de destabilização

Por outro lado, o presidente do MPLA denunciou a existência de um grupo de cidadãos nacionais, aparentemente do partido, que estão a financiar campanhas de destabilização e intoxicação contra Angola, de forma a criar um cenário de instabilidade.

Segundo João Lourenço, esses mesmos cidadãos estavam embrulhados na corrupção e surripiaram o erário em benefício próprio “Essa campanha não é contra o Presidente da República. Essa campanha é contra o nosso país. E o que é mais triste é que ela não vem sendo movida nem por forças estrangeiras, nem por forças da Oposição. Vem sendo movida por nacionais aparentemente do MPLA. E digo aparentemente porque não se portam como tal e que ainda têm o descaramento de falar em nome do povo”, apontou.

O político lamentou ainda o facto de jovens estarem a ser pagos para levarem a cabo esta campanha que visa desprestigiar a imagem de Angola e o esforço em prol do combate contra a corrupção. “Esses jovens que alinharam na campanha são bons jovens? São jovens exemplares? Estão realmente a defender os interesses da Juventude? Nós pensamos que não.

Estão a fazê-lo por quaisquer cem euros e se calhar nem isso terão, porque aqueles avarentos também não lhes vão pagar muito mais”, frisou.

Combate à corrupção

João Lourenço considera ter o apoio da Juventude para continuar o combate contra a corrupção e outros males, reconhecendo que os índices de desemprego são altos e que é preciso trabalhar para dar emprego à esta franja da sociedade

error: Content is protected !!