Bolsonaro dá ‘vergonhosa nota zero’ para transparência do PSL

Ofício assinado pelo Presidente Jair Bolsonaro e mais 21 parlamentares do PSL (Partido Social Liberal), endereçado ao presidente nacional da sigla, Luciano Bivar, dá “vergonhosa nota zero” para a transparência da prestação de contas do partido O

O texto também compara o PSL (que elegeu Bolsonaro) ao Partido da Causa Operária (PCO) no quesito transparência: “O partido figura como último colocado da série, ostentando a vergonhosa nota ZERO, ao lado do PCO”. Bolsonaro e os demais signatários da carta pedem para que a sigla forneça documentos e informações sobre as contas partidárias dos últimos cinco anos, incluindo os dados parciais de 2019.

Segundo o ofício, as contas do PSL “encontram-se em situação grave”. Os parlamentares citam um ranking feito pela Organização Governamental Transparência Partidária. Entre os autores do documento estão dois filhos do Presidente, o deputado fede- Dr ral Eduardo Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro. O objectivo é auditar as contas para conferir se a aplicação dos recursos públicos recebidos pelo PSL está correcta. Com as informações, os advogados do Presidente pretendem accionar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para pedir eventuais providências à Procuradoria Geral Eleitoral e a órgãos como a Receita Federal e Banco Central. Crise entre Bolsonaro e Bivar

Os rumores de que Bolsonaro pode deixar o PSL vêm de há algum tempo, mas a relação nunca esteve tão estremecida. No dia 8 de Outubro, o Presidente disse a um apoiante, na porta do Palácio da Alvorada: “Esquece o PSL”. Ele também afirmou que Bivar estava “queimado”. O deputado federal Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, durante um evento do partido em São Paulo, viveu um momento crítico devido às denúncias de que usou candidatas laranjas para desviar verbas.

O Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais apresentou à Justiça denúncia contra o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro António (PSL), e mais 10 pessoas, por crimes relacionados com a apresentação de candidaturas de fachada da sigla nas eleições de 2018. Bivar, que é deputado federal por Pernambuco, está a ser investigado pelo Ministério Público Eleitoral do Estado por suspeitas de caixa 2 na sua campanha. Desfiliação por justa causa Após a declaração no Alvorada, Bivar disse que o Presidente “já estava afastado do partido” e a sua opinião tinha sido “terminal”. Bolsonaro, por sua vez, disse que “por enquanto” ficaria no partido.

Um dos entraves para a saída do Presidente da sigla é que os parlamentares que deixarem o partido com ele podem perder os seus mandatos. Por isso, a auditoria pedida no ofício está a ser vista como uma possível alegação de justa causa para uma des

error: Content is protected !!