Governo autorizou importação de farinha de trigo

Mais de 240 licenças para importação simultânea de trigo e farinha deste cereal foram emitidas durante o primeiro semestre de 2019, pelo que não há razões objectivas para que haja escassez do produto no país. A revelação é do director Nacional da Agricultura, António Sozinho.

“Estamos atentos ao mercado e em função daquilo que é a produção nacional quando ela não responde à demanda nós abrimos uma quota de importação”, revelou o responsável. As licenças emitidas pelo sector da agricultura em simultâneo com o da indústria devem permitir a importação de 119 mil e quinhentos e 55 toneladas de farinha de trigo o que devia decorrer em simultâneo com a importação de trigo para servir de matéria- prima às moageiras.

Segundo aquele responsável, actualmnte a produção nacional está a responder cerca de 60% das necessidades do mercado e o défice restante deve ser preenchido pela quota de importação. Esta semana, organizações sócio-profissionais de operadores da indústria de panificação e pastelarias denunciava a redução da oferta da principal matéria-prima das suas produções (farinha de trigo), e tendência “especulativa” dos revendedores.

Entretanto, César Rasgado da empresa Grandes Moagens de Angola (GMA), considera “falsa” a questão de falta de farinha de trigo no mercado e acusa o “lobby de importação do produto” como estando por detrás do fenómeno especulativo. Segundo ele, os preços do saco de farinha sofre o efeito do câmbio flutuante que vigora no nosso mercado e refuta que nos últimos meses o preço real do produto tivesse registado subidas significativas.

error: Content is protected !!