Minco propõe políticas de escoamento asseguradas amanhã no Conselho Consultivo

O Ministério do Comércio(MINCO ) inicia amanhã Segunda-feira (21), em Luanda, o 13º Conselho Consultivo Alargado que decorrerá Sob o lema “O desafio do escoamento da produção e a diversificação da oferta interna de bens”

Por:Brenda Sambo

O Conselho Consultivo que inicia amanhã tem como objectivos contribuir para o desenvolvimento sustentável do mercado e do ambiente de negócios em Angola, assegurando o comércio e a prestação de serviços mercantis, baseados na competitividade, disponibilidade e no acesso a alimentos e bens de qualidade, de modo a satisfazer as expectativas dos clientes e consumidores, no período de 2018 a 2022. Segundo uma nota do Ministério enviada aOPAÍS, a reunião será dirigida pelo ministro do Comércio, Joffre Van-Dúnem Júnior, ladeado pelo secretário de Estado e contará com a participação dos directores nacionais, representantes comerciais no estrangeiro, PCA’s dos órgãos superintendidos, órgãos do Executivo e parceiros sociais do ministério.

Desafios

O comércio apresenta também um conjunto de desafios associados ao comércio interno e externo, quer nas vertentes da procura quer na oferta e regulação que serão melhoradas ao longo dos próximos anos. Num encontro que manteve recentemente com a classe empresarial, que visou auscultar entre outros, as opiniões, experiências, anseios e visão global sobre o sector do comércio em Angola, no curto e médio prazo, o secretário de Estado afirmou que esse mérito será alcançado com a contribuição de todos Afirmou por outra, que um dos objectivos do sector do comércio passa pelo desenvolvimento social e económico de Angola, sustentado pela geração de, tanto de empregos directos e indirectos como de riqueza para cada um dos agentes económicos.

Angola e a transformação do sector económico até 2022 Por outro lado, o governante disse também que até 2022 o país vai continuar no processo de transformação do sector económico, onde preconiza-se um comércio cada vez mais sustentável, moderno, sofisticado e equilibrado, visando fundamentalmente em diversos objectivos. Entre eles, o de contribuir para a crescente geração de riqueza e emprego nacional, actuando na satisfação das necessidades evolutivas do consumidor nacional, e, no consequente aumento do bem-estar da população; Por outro lado, potenciar uma oferta de mercado profissionalizada, que fomente a concorrência e a actuação dos operadores privados num contexto de mercado livre, e que assegure a defesa do consumidor Desenvolver e integrar a produção nacional de qualidade, com um elevado grau de competitividade nos principais canais comerciais do país, promovendo o seu escoamento e uma menor dependência das importações. — Dinamizar o papel e contribuição de Angola no contexto regional, através da potenciação de uma indústria nacional competitiva com potencial de exportação, focado na Zona de Comércio Livre da SADC e Zona de Comércio Livre Continental Africana.”

Para o alcance destas e outras metas, a visão do sector privado sobre o assunto é crucial para a conclusão da elaboração do Plano de Desenvolvimento do Sector do Comércio 2018-2022, razão pela qual auguramos da parte do sector empresarial, a semelhança do que vem acontecendo regularmente com outros documentos e diplomas legais, a entrega total e imparcial, em matéria de disponibilização de inputs e contribuições que garantam o enriquecimento e aprimoramento do Plano, e a contínua predisposição para a materialização dos programas e projectos de investimento no sector e o alcance das metas de desenvolvimento que serão elencadas e assumidas no PDS 2018-2022 O Ministério do Comércio é o órgão auxiliar do Titular do Poder Executivo ao qual compete propor, formular, conduzir, executar, avaliar, controlar e fiscalizar a política do Executivo no domínio do comércio, prestação de serviços mercantis, comércio rural e da reserva estratégica alimentar.

error: Content is protected !!