Miss Angola 2019 dedica prémio “a Deus e à mãe”

Salett, que vai representar o país no Miss Universo, receberá vários prémios, entre os quais uma viagem à China, o curso de Mandarim (língua chinesa) e de Inglês, diferentes quites e tratamento de beleza durante um ano. Eufórica, dedicou a conquista  a Deus e à sua mãe.

Antónia Gonçalo

A representante da província do Cuanza-Sul, Salett Miguel, de 20 anos, estudante do 2º ano no curso de Ciências Políticas e Relações Internacionais na Universidade de Belas, foi eleita na madrugada de Domingo Miss Angola 2019, diante de 17 outras candidatas. A Miss, que sucedeu à Ana Avião, receberá vários prémios, entre eles uma viagem à China, curso de Mandarim (Língua chinesa) e Inglês, diversos quites e tratamento de beleza durante um ano e electrodomésticos.

Esta edição do concurso (23ª) decorreu sob o lema “Empreendedorismo da mulher angolana”. Eufórica, dedicou a conquista a Deus, que segundo ela, guiou o seu caminho, dando-lhe sabedoria e persistência. Dedicou também a obtenção à sua mãe, pelo facto de sempre ter acreditado em si, em todos os momentos da sua vida. Salett, consciente da sua responsabilidade de representar o país no Miss Universo no próximo ano, disse que pretende fazê-lo com sabedoria e força, de modo a dignificar e honrar o nome do país.

“Sinto- me muito feliz e lisonjeada por ser a eleita e poder representar Angola no Miss Universo. Agradeço a todos aqueles que acreditaram no meu potencial”, disse a Miss.

Motivação

A nova beldade de Angola contou que foi motivada pelos pais e amigos a participar no concurso de beleza, por terem notado nela “o espírito” de uma mulher lutadora, que sempre quis vencer e ser independente, tendo mostrado também maturidade. Feliz por elevar o no  me da sua terra natal neste concurso, Cuanza-Sul, descreveu-a como um lugar caloroso, com um povo feliz, que tem dança e glamour.

“É um solo muito especial para mim, onde nasceram os meus pais e também vivi lá durante algum tempo. A minha educação foi-me dada neste solo, com os meus avós. Por isso digo que esse povo é maravilhoso para mim”, contou. Quanto ao lema da presente edição do concurso, relacionado com o empreendedorismo, incentivou os angolanos a apostarem nas suas iniciativas e, a prestarem maior atenção aos lugares com falta ou necessidades de investimentos, que segundo ela, pode ser colmatada com as suas potencialidades

Projecto

Durante o seu mandato Salett Miguel vai desenvolver o seu projecto relacionado com a fuga à paternidade, com o objectivo de garantir um futuro melhor para as crianças. Pretende começar pela capital do país, Luanda, por observar a perda de valores em relação à família. “É bem visto que muitas crianças andam mal na sociedade, sem propósito nenhum, por falta de educação e de acompanhamento dos pais.

E quando isso acontece, na juventude, vão andar em caminhos obscuros, envolvendo-se na prostituição, no alcoolismo e ficarão sem auto-confiança”, disse. Numa primeira fase, para a sua implementação, pretende começar com a realização de palestras e campanhas, a fim de incentivar os pais e mostrar a importância de educar os filhos, de modos a garantir o seu futuro.

Outras eleições

Apesar de ser a eleita, Salett Miguel reconheceu o potencial da 1ª Dama de Honor, a Miss Benguela, Paula Ngaça de 19 anos de idade, estudante da 12ª classe, Por sua vez, Paula Ngaça, disse que o seu objectivo era o de obter a coroa do Miss Angola, mas mesmo assim está satisfeita com a conquista. “É claro que o objectivo de todas era o de obter a coroa do Miss Angola. Acredito que tenha dado o meu melhor e vou continuar a fazê-lo”, observou. Neste contexto, o título de 2ª Dama de Honor coube a representante da província de Malanje, Nilda Songo de 19 anos de idade, estudante de Engenharia Informática.

A mesma arrebatou ainda o titulo de Miss Simpatia, através da votação das demais candidatas durante a fase de preparação para o concurso. Estas, receberão também vários prémios, incluindo o curso de Mandarim e Inglês. Dádiva Vicente, de Cabinda é a Miss Fotogénica, enquanto Ludmila Pelivavala, do Cunene com o prémio de Melhor Traje Típico. De realçar que as 18 candidatas vão beneficiar do curso de Mandarim, em Luanda.

O jurado

A mesa de júri que teve a responsabilidade de eleger a Miss Angola 2019 esteve composta por nove membros, encabeçada pela Maria Joaquina Silva. Segundo a responsável, antes mesmo da realização da gala de eleição, o jurado manteve contactos com as candidatas, de quem avaliaram a inteligência, talento, beleza, factores que no dia da gala contribuíram para àasua eleição.

“Foi mesmo difícil eleger a Miss, porque são todas bonitas e cada uma com o seu potencial. São meninas com 19 anos de idade, que vivem com os pais, muito educadas, com um nível de formação académica e desenvoltura aceitável”, referiu. Satisfeita com a eleição, Maria da Silva aconselhou a Miss a implementar o seu projecto, por achar interessante e constatar que com a sua execução poderá ajudar várias mulheres.

 

 

 

error: Content is protected !!