Morales reafirma vitória em eleições da Bolívia e acusa oposição de “golpe”

O presidente da Bolívia, Evo Morales, repetiu nesta Quarta-feira que venceu a eleição presidencial do país e acusou a oposição de tentar orquestrar um “golpe”, após protestos em massa que alegam fraude na votação de Domingo.

Com quase 97% dos votos apurados nesta Quarta, a contagem oficial mostrava Morales com 46,49%, cerca de 9,5 pontos na frente do principal oponente, Carlos Mesa, mas ainda abaixo dos 10 pontos necessários para vencer a disputa na 1ª volta.

Furiosos com o que julgam ser uma tentativa fraudulenta de Morales vencer a eleição para obter um quarto mandato, manifestantes têm realizado protestos em massa em La Paz, em especial próximo ao local onde o tribunal eleitoral contabiliza os votos. Num discurso duro nesta manhã, Morales criticou a violência, a qual atribuiu à oposição e ao que chamou de apoio estrangeiro.

“Eu convoquei essa conferência para denunciar, perante o povo boliviano e todo o mundo, que um golpe de Estado está em andamento. De antemão, a direita se preparou para um golpe com ajuda internacional”, disse. A turbulência no país teve início após uma contagem oficial ser interrompida durante 24 horas no Domingo, quando Morales alegou que o seu partido ganharia apesar dos números preliminares mostrarem que haveria um 2º turno.

O tribunal eleitoral e alguns governos internacionais, inclusive o Brasil, demonstraram preocupação com a integridade da votação. A incerteza diante do processo abalou o país, que passou por um período de quase 14 anos de estabilidade e crescimento desde que Morales assumiu o cargo em 2006 como o primeiro líder indígena da Bolívi

error: Content is protected !!