Parlamentares republicanos dos EUA atrapalham inquérito de impeachment contra Trump

Parlamentares republicanos dos EUA atrapalham inquérito de impeachment contra Trump

Os republicanos invadiram uma sala de audiências onde Laura Cooper, funcionária da Defesa a cargo das questões da Ucrânia e da Rússia, deveria depor a portas fechadas e começaram a gritar, disseram parlamentares e assessores. O inquérito de impeachment se concentra no pedido do presidente republicano à Ucrânia para investigar o rival político democrata Joe Biden para o seu próprio benefício político. Num confronto dramático ocorrido em meio a uma investigação crescente que ameaça a presidência Trump no momento em que ele inicia a busca pela reeleição em 2020, a polícia do Capitólio foi chamada para livrar a sala e restaurar a ordem, disse um assessor republicano do Congresso. Uma testemunha que estava dentro do recinto disse que os republicanos levaram celulares à instalação de alta segurança, onde aparelhos electrónicos são proibidos. “Eles estão surtados. Estão a tentar impedir esta investigação”, disse o deputado democrata Ted Lieu. “Eles não querem ouvir a testemunha Cooper, hoje. Sabem que serão apresentados mais factos que são absolutamente danosos ao presidente dos Estados Unidos.”

Na Segunda-feira, Trump disse aos repórteres que “os republicanos têm que ser mais duros e combater” o impeachment, dizendo que os democratas são “perversos e unidos”. “Não acaba nunca. Os Democratas que Não Fazem Nada são terríveis!”, tuitou Trump na manhã desta Quarta-feira, acrescentando mais tarde que o “caso (deles) está MORTO!” Os republicanos rotularam de injustas as regras do inquérito de impeachment determinadas pela Câmara liderada pelos democratas. A Constituição dos EUA dá muita latitude para a Câmara no tocante a como conduzir o processo de impeachment e determinar as regras do inquérito.