ONU renova seu compromisso com Angola no apoio ao desenvolvimento sustentável

No dia em que a Organização completou 74 anos de existência, o coordenador residente das Nações Unidas em Angola, Pier Paolo Balladelli, reafirmou o compromisso da mesma para ajudar o país a alcançar os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030

Por:Neusa Filipe

Ao discursar ontem, em Luanda, na cerimónia de celebração do Dia das Nações Unidas, Paolo Balladelli disse que o valor da ONU em Angola não se limita aos recursos financeiros, mas tamintelectuais. A fotografia de um em primeiro lugar não influencia a angariar menos ou mais votos. São todos iguais perante os delegados. O que vai contar são as ideias”, frisou. De acordo ainda com o político, durante o congresso para a eleição do futuro presidente da UNITA, os delegados vão votar no programa e não na figura. “Os candidatos têm o seu programa. E os delegados vão apenas votar no programa que apresentar melhor proposta no que toca a evolução e ao fortalecimento da UNITA”, explicou.

Segundo ainda Victorino Nhany, os candidatos à presidente da UNITA continuam a desdobrar-se pelo país em campanhas visando a sua eleição no XIII Congresso Ordinário do partido, que se realiza de 13 a 15 do próximo mês. Concorrem à presidência do maior partido da Oposição os políticos Alcides Sakala, Kamalata Numa, Raul Danda, José Kachiungo e Adalberto Costa Júnior. res universais e dedicados ao bem comum”, disse, reconhecendo os esforços de Angola como Estadomembro das Nações Unidas.

Integração de quadros angolanos nas Organizações internacionais O secretário de Estado das Relações Exteriores, Téte António, disse, na sua intervenção, que Angola conta com a colaboração das Nadesenvolvimento. Disse tratar-se de um dos compromissos que as Nações Unidas têm, dedicando as suas capacidades para que as populações tenham mais possibilidades de compreensão sobre os direitos humanos, bem como ajudar no empoderamento das mulheres na vida económica e política do país, e aos jovens, para que tenham mais capacidade e oportunidades de emprego.

Avançou que as Nações Unidas vão ajudar o país na diversificação da economia e na área social, visando melhorar o acesso à Educação, à Saúde e à protecção social. “Numa época de grandes desafios para todos os povos, pelas desigualdades económicas, os conflitos e as ameaças para a vida do planeta, precisamos de países fortes e comprometidos com os valobém no apoio às boas práticas, assim como identificar os instrumentos para enfrentar os desafios políticos, económicos e sociais. Apesar de ter reconhecido alguma melhoria a nível de infra-estruturas, Balladelli afirmou que Angola ainda tem muito que trabalhar na capacitação do seu capital humano, nos níveis profissional, cultural, histórico e científico, a fim de alavancar os pilares do desenvolvimento.

Disse tratar-se de um dos compromissos que as Nações Unidas têm, dedicando as suas capacidades para que as populações tenham mais possibilidades de compreensão sobre os direitos humanos, bem como ajudar no empoderamento das mulheres na vida económica e política do país, e aos jovens, para que tenham mais capacidade e oportunidades de emprego. Avançou que as Nações Unidas vão ajudar o país na diversificação da economia e na área social, visando melhorar o acesso à Educação, à Saúde e à protecção social. “Numa época de grandes desafios para todos os povos, pelas desigualdades económicas, os conflitos e as ameaças para a vida do planeta, precisamos de países fortes e comprometidos com os valores universais e dedicados ao bem comum”, disse, reconhecendo os esforços de Angola como Estadomembro das Nações Unidas.

Integração de quadros angolanos nas Organizações internacionais O secretário de Estado das Relações Exteriores, Téte António, disse, na sua intervenção, que Angola conta com a colaboração das Na ções Unidas para a integração dos seus quadro nas organizações internacionais. Salientou que Angola tem uma relação com o sistema das Nações Unidas há 43 anos, que tem sido um parceiro importante não só pelo apoio técnico e financeiro no quadro do reforço das instituições nacionais, bem como no acesso, através da sua rede nacional e internacional, de contactos e perícia técnica em várias áreas.

O embaixador do Brasil em Angola, Paulino Neto, defendeu, na ocasião, a ampliação e modernização de todo o sistema das Nações Unidas, para que possa representar melhor o mundo actual, onde países em desenvolvimento possam ter uma participação mais correspondente à importância política que os mesmos possuem. A Organização das Nações Unidas (ONU) foi fundada no dia 24 de Outubro de 1945, logo após a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de promover a cooperação entre os Estados Membros e impedir outro conflito devastador.

error: Content is protected !!