PR abre caminhos para o investimento russo em Angola

O Presidente da República, João Lourenço, considerou ontem, em Sochi, haver em Angola um vasto espaço de negócios e condições seguras para o investimento estrangeiro, pelo que os russos têm liberdade para investir no país

Ao intervir na sessão de abertura da primeira Cimeira de Chefes de Estado e de Governo Rússia-África, o estadista angolano disse haver um leque de inúmeras e diferentes oportunidades para os investidores deste país fazerem as suas opções de negócio em Angola. Segundo João Lourenço, o país está aberto ao investimento nos sectores energético, dos minerais, da agricultura, da agro-indústria e da indústria de equipamentos agrícolas.

De igual modo, referiu, Angola criou condições, no quadro do plano de diversificação da economia, para facilitar o investimento nas telecomunicações e outras áreas. Noutro domínio, o Presidente angolano defendeu a necessidade da industrialização do continente africano, como condição incontornável para o seu desenvolvimento. João Lourenço entende haver hoje uma nova visão dos líderes e dos principais actores da vida política, económica e social em África, cansados da “simples exploração e exportação” dos seus recursos minerais em estado bruto.

Sugeriu, no quadro da parceria com a Rússia, uma cooperação que ajude os africanos a darem salto qualitativo de países exportadores de matérias-primas para exportadores de produtos manufacturados e industrializados. “Temos consciência de que o êxito da estratégia de desenvolvimento de África deve ter como pilar estruturante a capacitação técnica dos jovens africanos, que representam o grosso da população do continente e merecem atenção especial”, expressou.

A seu ver, com essa atenção, os jovens poderão tornar-se grandes protagonistas de um futuro próspero para África. A esse respeito, deu particular destaque ao papel que a Rússia, num contexto diferente, desempenhou no capítulo da formação de quadros angolanos. João Lourenço entende que é importante que a África e os jovens do continente se apetrechem dos meios e conhecimentos necessários nessa área. “Também nesse capítulo, a Rússia pode desempenhar um papel determinante”, exprimiu João Lourenço, que considerou a Cimeira de Sochi uma iniciativa louvável a todos os títulos, pela oportunidade de diálogo e da abordagem de temas de interesse comum.

Segundo o Presidente angolano, os africanos, de forma geral, beneficiam há longa data da solidariedade do povo russo, desde o período das lutas de libertação contra as potências coloniais até ao alcance das suas independências. Angola, disse, é bem a expressão dessa solidariedade, que permitiu vencer o colonialismo, manter a Independência e a soberania nacional, e ajudou outros povos na sua luta vitoriosa pela auto-determinação. Do seu ponto de vista, a contribuição do povo russo na libertação de África pode, nos dias de hoje, ajudar a definir um modelo de cooperação vantajoso para África.

Disse haver preocupações comuns sobre as questões relacionadas com a sustentabilidade ambiental, a paz e a segurança mundial, domínios em que há “grande identidade de pontos de vista entre a Rússia e África”. Esse facto, segundo o Presidente angolano, pode contribuir para a busca de soluções dos problemas candentes que existem no Planeta.

error: Content is protected !!