Henrique Artes celebra aniversário com exibição de duas peças teatrais

O aniversário é assinalado no mês em curso e será celebrado hoje e amanhã, na antiga Liga Africana, às 20 horas, com a exibição das peças “Dom Juan à moda angolana” e “É minha gente: temos o mesmo cheiro”

Por:Antónia Gonçalo 

Para celebrar o 19º aniversário que foi assinalado no mês em curso, o grupo Henrique Artes realiza a exibição de duas peças, “Dom Juan à moda angolana” e “É minha gente: temos o mesmo cheiro” hoje e amanhã, às 20 horas, na antiga Liga Africana, em Luanda. A primeira obra que é apresentada hoje, estreiada no ano passado no Circuito Internacional de Teatro, do género romance, retrata a vida de um galanteador. O personagem é tido como um namorador por excelência, que se envolve com várias mulheres, mas no final, acaba arrolado em grandes dilemas. Já a segunda, encenada em 2009, retrata problemas sociais, como a situação de cidadãos que vivem no mesmo prédio, mas com condições de vida diferente.

O director-adjunto do grupo, Joel Mulemba, referiu que optaram em celebrar o aniversário com a mostra das referidas peças, pelo facto de aborabordarem temas da actualidade, como a questão relacionada com à falta de água e energia eléctrica em algumas zonas do país. Falando sobre os 19 anos do conjunto, o responsável fez um rescaldo positivo, através das conquistas de prémios nacionais e internacionais, bem como o crescimento profissional dos actores que passaram neste conjunto.

Realçou nomes como Sílvio Nascimento, Borges Mucula e Sofia Buco que, actualmente os seus trabalhos são notáveis socialmente. Falou ainda dos vários galardões conquistados, como o 2º lugar no Prémio Cidade de Luanda e o reconhecimento no Festival Internacional das Artes de Língua Portuguesa, no Brasil. “São 19 anos, volvidos com tristezas, alegrias, derrotas, prémios colectivos e individuais, que serviram de aprendizado. Foram momentos marcantes para nós”, aferiu.

Trabalhos

Durante o ano corrente, o grupo vem exibindo-se em vários espaços culturais, na cidade capital. Para Novembro e Dezembro, as peças referidas anteriormente, assim como a obra “A passageira 640”, serão exibidas no Elinga Teatro e na Casa das Artes.

Novos actores

Este conjunto deu ainda a oportunidade a sete actores de ingressarem no grupo, através de um casting realizado em Julho. Actualmente, os mesmos estão a ser capacitados, com diferentes técnicas teatrais. O colectivo pretende voltar a internacionalizar os seus trabalhos, razão pela qual trabalham afincadamente em novos projectos. “Somos um dos grupos mais internacionais que o país tem. Tudo indica que no próximo ano voltaremos a trilhar os palcos internacionais”, sublinhou o director adjunto do grupo.

O grupo Fundado em Outubro de 2000, o grupo Henrique Artes já se apresentou em várias províncias de Angola e ao nível internacional foi apresentado pela primeira vez em Cabo Verde, em 2008. O colectivo é constituído por 23 integrantes, com idades compreendidas entre os 18 e os 38 anos. Já exibiu mais de 50 peças com destaque para “Hotel Comarca”, “ Anjos Procuramse” e “Luanda Meu Enigma”. A peça “Hotel Komarka”, que já foi exibida em mais de dez províncias e na 20ª edição do Festival de Teatro de Mindelo (MINDELACT), em Cabo Verde, é uma das suas principais referências. Outro destaque é o espectáculo “A Órfã do Rei”, um monólogo encenado por Flávio Ferrão e interpretado por Mel Gâmboa, que foi apresentado no Festival Lusófono de Teresina, no Brasil.

O grupo de teatro conquistou também dois prémios Cidade de Luanda, com as obras “Meu Enigma”, em 2004, e “Côncavo e Convexo”, em 2008, assim como obteve, em 2005, o segundo lugar na categoria de encenação e o de melhor actriz atribuído a Matilde Kabango do mesmo prémio. Do conjunto de prémios já conquistados pelo Henriques Artes destacam-se os de teatro, em Luanda, com a peça “Meu enigma”, em 2004, e melhor encenação em 2008, com a peça “Côncavo e convexo”. Além destas distinções, o grupo conquistou o de melhor actriz, em 2007, e melhor actor, em 2010.

error: Content is protected !!