Centenas de cidadãos realizaram manifestações em quatro províncias

Centenas de cidadãos participaram ontem em seis marchas promovidas por diferentes entidades, que decorreram nas províncias de Luanda, Benguela, Malanje e Cuanza-Norte

De acordo com uma nota de Imprensa do Ministério do Interior a que OPAÍS teve acesso, durante tais actividades não houve registo de manifestações hostis, nem detenções. Dentre elas, foram asseguradas as actividades programadas, em especial as que decorreram nas províncias de Luanda, Benguela e Malanje. Na capital do país decorreram três, sendo que uma delas foi protagonizada por cerca de 110 ex-militares das extintas FALA, antigo braço armado da UNITA, que exigiram o cumprimento dos princípios de Muangai por parte da equipa de Isaías Samakuva, o líder do partido.

Essa marcha pacífica, liderada por Pedro Paulo Mulemba, teve início às 13horas, com os seus participantes saindo da Vila de Viana para o complexo Sovismo, pertencente ao partido do Galo Negro. O “Movimento Estudantil Propinas Não”, movimentou cerca de 120 estudantes que protestaram contra a cobrança de propina nas universidades. Os participantes marcharam pacificamente do Largo das Heroínas ao Cemitério de Santa Ana.

A manifestação decorrida na província de Malanje também foi promovida por estudantes descontentes com a subida das propinas na universidade pública. O mesmo aconteceu nas províncias de Benguela e Cuanza-Norte, onde as manifestações foram antecedidas de uma concertação entre as autoridades e os promotores. Por outro lado, uma outra marcha, relacionada com o cancro da mama, foi realizada no âmbito do “Outubro Rosa”. As participantes, por volta das 9h00, marcharam do Porto até à Ilha de Luanda A caminhada de sensibilização à prevenção e importância do rastreio precoce do cancro, denominada “Caminhada pela Vida”, com adesão de mais de quatrocentas pessoas, foi promovida pela Comunidade de Mulheres Angolanas.

A mesma serviu também para a recolha de donativos, além de chamar a atenção da população em geral para juntos reflectirem sobre a importância dos cuidados de saúde, como a prática de desporto e a alimentação regrada. O secretário de Estado da Saúde para a Área Hospitalar, Leonardo Inocêncio, declarou, segundo a Angop, ser fundamental que a sociedade esteja consciente da iminência da doença e se previna para evitar situações extremas. O governante acrescentou ser primordial sensibilizar a população, principalmente as mulheres, sobre o cancro da mama, visto que é o mais frequente, seguido do cancro do colo uterino. De acordo com o secretário de Estado, é importante que se faça o auto-exame, caso a mulher note um aumento do volume, secreção, caroços, deve procurar a unidade hospitalar de referência (Centro de Oncologia).

Leonardo Inocêncio aconselhou a sociedade a pautar-se por uma alimentação saudável e praticar exercício físico. A propósito da marcha, a cantora e madrinha do projecto “Semana Rosa Angola”, Yola Semedo, disse que a sociedade deve estar toda engajada nesta causa e como artista pretende usar a sua voz para promover, sensibilizar, bem como levar conforto aos que padecem dessa enfermidade. Durante a caminhada foram recolhidos alguns donativos, nomeadamente materiais didácticos, bens não perecíveis e água.

Semana Rosa Angola

A Semana Rosa Angola terá o seu encerramento hoje, com a entrega dos donativos recolhidos. Essa actividade insere-se também nas comemorações do surgimento do Movimento “Outubro Rosa”, instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1990. A “Semana Rosa Angola” é um projecto que nasce com o objectivo de consciencializar a sociedade angolana sobre diversos problemas ligados à saúde.A actividade, que serviu também para a recolha de donativos, foi realizada para chamar a atenção da população em geral, para juntos reflectirem sobre a importância dos cuidados de saúde, como a prática de desporto e a alimentação regrada.

error: Content is protected !!