Ruanda: O que a “Suíça africana” tem (ou não) a ensinar ao resto do continente

O pequeno país liderado por Paul Kagame fabrica smartphones, vai lançar um satélite e já é chamado de “Suíça africana”. Será o Ruanda o exemplo a seguir em África?

E se o seu próximo smartphone for feito não na China, mas no Ruanda? A pergunta pode parecer disparatada, mas, este ano, deixou defi nitivamente de o ser.

Em Outubro, o Mara Group inaugurou na capital ruandesa, Kigali, uma fábrica de smartphones, com objectivos ambiciosos. Com os seus Mara X e Mara Z, equipados com o sistema operativo Android, o grupo pretende rivalizar com os líderes de vendas de smartphones em África – os chineses Transsion e Huawei, além da Samsung e Tecno. Graças a empresas como a Mara, o Ruanda é hoje o país que mais cresce em África. Aliás, em 2018 registou o ritmo mais acelerado de crescimento económico em todo o mundo – perto de 9%, segundo o relatório Africa’s Pulse, divulgado em outubro pelo Banco Mundial.

Este ano, disputa a liderança com Bangladesh, Vietname e com três pares africanos – Etiópia, Costa do Marfi m e Burkina Faso. A impulsionar o crescimento da economia ruandesa, e de outras vizinhas, estão importantes saltos tecnológicos, conforme salienta o relatório Africa’s Pulse – a instalação de painéis solares e redes eléctricas de pequena escala estão a levar “eletricidade barata e renovável” a cidades e comunidades rurais.

A carência de vias de comunicação está a ser suprida com recurso a “drones” – que, no caso do Ruanda, já permitem a entrega de bens em zonas remotas. Embora o crescimento dos países africanos continue a ser frequentemente associado a ciclos de aumento dos preços das matérias- primas, o Ruanda não é grande produtor de petróleo, como Angola ou Nigéria, ou de minerais, como a República Democrática do Congo. É, aliás, mais conhecido pelas suas colinas.

A Etiópia, outro país em rápido crescimento, é árida, tem um longo historial de secas e fome e o seu crescimento rápido explica- se pela muito acelerada industrialização, sobretudo atraindo fabricantes chineses. Por causa do seu crescimento económico, o resto do continente africano tem vindo a olhar com crescente atenção para o Ruanda. O país tornou-se conhecido como a “Suíça africana”, pela combinação de um interior verdejante com cidades limpas e bem dotadas de serviços públicos – algo raro no contexto africano.

Deuse até ao “luxo”, em 2018, de investir 30 milhões de libras num patrocínio ao multimilionário clube de futebol inglês Arsenal – que ostenta desde então a frase “Visit Rwanda” nas mangas das suas camisolas vermelhas e brancas. Será então o Ruanda o modelo para o resto do continente? Muitos africanos acreditam que sim. Não apenas pelo crescimento económico, mas também pela evolução de indicadores ao nível da saúde e bem-estar da população. Mas o país governado por Paul Kagame – que completará 20 anos no poder em 2020 – é um regime autoritário. E está longe de ser caso único.

Autoritarismo x crescimento económico

Para Nic Cheeseman, académico britânico da Universidade de Birmingham, exemplos como o do Ruanda e Etiópia – regimes autoritários com elevado crescimento económico são a excepção, não a regra.

Estes dois países, disse ao África Capital o autor de alguns dos trabalhos de referência sobre a consolidação das democracias africanas, têm tido sucesso “no uso do modelo autoritário de desenvolvimento na procura de crescimento económico, centralizando o controlo das actividades económicas, atacando a corrupção e investindo em áreas-chave da economia que poderiam não ter atraído investidores privados”. Mas em países com maiores níveis de concorrência política, o resultado do autoritarismo pode ser a violência e a desordem.

O caso da Etiópia, onde o novo primeiro-ministro, Abyi Ahmed, chegou ao poder em 2018, na sequência de protestos populares, com uma agenda reformista – que já lhe valeu o Prémio Nobel de 2019 – foi já uma manifestação da viabilidade do modelo autoritário a longo prazo, diz Cheeseman. Aliás, adianta o académico,dois dos maiores casos de sucesso económico em África, desde a independência, são modelos democráticos – Botsuana e Maurícias. “Em média, as democracias têm melhor desempenho do que Estados autoritários, no que diz respeito a crescimento económico”. No relatório Liberdade no Mundo 2019, da Freedom House, apenas 9 dos 54 países africanos são considerados livres. Nenhum deles é lusófono.

Angola, por exemplo, continua a ser considerado um país “não livre”. O Ruanda é, também para os democratas africanos, um exemplo – do que há de errado no continente. O partido de Paul Kagame, a Frente Patriótica do Ruanda, controla o país com mão-de-ferro desde 1994, quando emergiu vencedor de um dos mais sangrentos confl itos da história de África.

O “think tank” norte-americano Freedom House considera o país “não livre”. A Human Rights Watch (HRW), na sua mais recente avaliação do país, sublinha as “rígidas restrições à liberdade de expressão e ao espaço político” e diz que “jornalistas que ousam questionar a narrativa ofi cial são assediados ou presos”, nalguns casos em centros de detenção não ofi ciais. Há relatos de desaparecimentos e tortura. “Uma atmosfera de medo e silêncio”. É o que descreve ao África Capital o jornalista ruandês Fred Muvunyi. Ex-presidente da Comissão do Ruanda para os Media, teve de fugir do país devido a ameaças e é hoje editor da Deutsche Welle Africa.

“As mortes e intimidação contra elementos da oposição e da sociedade civil têm um efeito paralisante sobre a liberdade de expressão. A maioria dos ruandeses opta pelo silêncio, para não ter problemas”. Estarão os ruandeses dispostos a sacrifi car liberdades em troca de emprego e crescimento económico? Fred Muvunyi diz compreender que assim seja, mas rejeita cedências. “Quando se tem fome, quer-se comida.

Quando se está de algemas, quer-se liberdade. Mas nenhuma dessas coisas deve privar-nos do direito que temos à outra”. *Jornal Económico

error: Content is protected !!