Camalata Numa caça votos no Huambo e Bié

Depois de ter estado no Cuanza-Norte, Malanje, Uíge e Bengo à caça do votos, no último fimde- semana o candidato à liderança da UN ITA no XIII Congresso Ordinário Camalata Numa foi ao Huambo e Bié com o mesmo propósito

Tanto no Huambo como no Bié, Numa foi ao encontro dos militantes e quadros para explicar o seu projecto de liderança, baseado no programa do Muangai, informou o seu assessor de imprensa, Benilson Moreira.

Segundo a fonte, na cidade do Huambo, Camalata Numa reuniu-se em separado com os membros do Secretariado Provincial da UNITA e, seguidamente, com os 131 delegados ao Congresso, aos quais transmitiu o que pensa sobre este partido.

“Com muita responsabilidade e segurança apresento-me diante dos companheiros como o candidato que vai fazer do voto de cada um de vós útil, para o alcance do poder político em 2020 e 2022”, explicou.

Citado pela fonte, Camalata Numa, que já foi secretário-geral deste partido entre 2008 a 2012, assegurou aos seus correligionários que sabe o que terá de fazer, caso seja eleito líder da UNITA, em substituição de Isaías Samakuva. “Não viemos aqui como alguém que desconhece o que tem de ser feito para galvanizar o partido, mas como alguém que tem a noção do que sabe e pode conseguir nos próximos desafios”, disse.

Informou ainda que a sua candidatura não é uma aventura, mas surge como uma força decorrente de vários estudos, pelo que se predispõe a responder a uma pergunta feita de forma insistente pelo então líder fundador da UNITA, Jonas Savimbi, em 1983 e em 1986, que dizia que as “FALA um dia vão cumprir com o seu papel”.

As FALA foram o braço armado da UNITA e foram extintas definitivamente após a assinatura dos Acordos de Paz a 4 de Abril de 2002, entre o Governo e a UNITA, depois da morte em combate de Jonas Savimbi, a 22 de Fevereiro de 2002.

Depois do Huambo, Camalata seguiu para a vizinha província do Bié, onde se reuniu também com um grupo de militantes, aos quais apresentou o seu projecto político para a UNITA no pós-Congresso.

À semelhança do que aconteceu no Huambo, na cidade do Cuito, capital da província do Bié, o candidato à liderança da UNITA pediu o voto aos militantes e quadros do partido e garantiu contar com eles. “Como vosso companheiro, espero que durante esta fase estejam vigilantes, prontos e conscientes para elevaram uma nova ordem no partido, para, em conjunto, estabelecermos uma nova ordem em Angola”.

Refira-se que a UNITA realiza o seu XIII Congresso sob o lema: Patriotismo, Coesão e Cidadania”.

error: Content is protected !!