Teta Lando distinguido a título póstumo com Prémio Nacional de Cultura e Artes

Os sete artistas reconhecidos na presente edição do PNCA serão premiados em Novembro, 8, com um cheque no valor de 3 milhões de Kwanzas, numa gala a ser realizada no Cine Tropical, em Luanda, às 18 horas

O músico, compositor e intérprete Alberto Teta Lando foi distinguido a título póstumo na presente edição do Prémio Nacional de Cultura e Artes (PNCA), na classe de “Música”.

De acordo com o presidente do corpo de júris, Manzambi Fernando, que ontem divulgou os resultados em conferência de imprensa, a distinção do músico falecido em 2008 deveuse ao conjunto da sua obra, considerada longa, de dura trajectória musical, que soube cantar os diferentes momentos históricos do país.

Foram igualmente reconhecidas as suas composições que se tornaram clássicos do nosso cancioneiro, e são interpretadas, gravadas em várias versões, adaptadas às novas correntes musicais e diversos ritmos angolanos por artistas nacionais e estrangeiros.

O secretário do Estado da Cultura, Aguinaldo Cristóvão, que falava em representação da ministra da Cultura, Maria da Piedade de Jesus, considerou Alberto Teta Lando como sendo um ícone e referência da música angolana, que deve ser enaltecida.

“Apesar do seu passamento físico, a sua música, o seu legado e o trabalho continuam connosco. Tudo faremos para que a sua obra seja reeditada, de modo a que as novas gerações tenham acesso. É esse o compromisso que o PNCA tem com a sociedade”, sublinhou.

Outras distinções

Na categoria de literatura venceu o escritor José Eduardo Agualusa, pelo conjunto da sua obra, em que a investigação, a memória histórica, a distopia, a actualidade, o questionamento, a reflexão e o sentido estético vão de mãos dadas, contribuindo para a projecção da literatura angolana no mundo.

Sobre referida distinção, o secretário de Estado da Cultura realçou que assenta na sua vertente intelectual, a consistência da sua obra literária e a forma como aborda as problemáticas sociais.

“Pensamos que uma das vocações que este prémio traz é precisamente mostrar aos cidadãos aquilo que é produzido, de qualidade, a nível nacional”, salientou o responsável.

Para além dos já referidos, entre os vencedores consta a Globo Dikulu na modalidade das Artes Cénicas, com base na realização do “Festival Internacional de Teatro do Cazenga” (FESTECA), que tem sido apresentado ao longo de 14 anos, de uma forma contínua e ascendente.

Foi ainda realçada a qualidade artística e cénica, os elementos estéticos nos seus espectáculos, a forma peculiar e diferente de abordar questões da realidade objectiva do país, em particular das comunidades, cujas representações contribuem para a formação, consciencialização, moralização e entretenimento não só dos jovens, mas também dos adultos.

O pesquisador António Domingos “Tony Mulato” venceu na categoria de Dança, devido à sua longa e rica trajectoria e os feitos alcançados, assim como a sua dedicação à recuperação das danças carnavalescas, particularmente a Cabecinha. Por sua vez, Don Sebas Cassule foi distinguido no mundo das Artes Plásticas, em que tem inovado e participado em eventos a nível nacional internacional.

O cineasta Dorivaldo Cortez triunfou na categoria de Cinema e Audiovisual, enquanto a historiadora Constância Ceita na categoria de Investigação em Ciências Humanas e Socias.

Aguinaldo Cristóvão avançou que na presente edição do PNCA foram igualmente averiguadas preocupações relacionadas com a persistência da carreira dos laureados, nas suas disciplinas, tendo em conta as especificidades de cada uma. Disse ainda que verificou-se a preocupação geracional, arrolada com a componente da investigação subjacente aos vencedores.

O prémio

O PNCA é a mais importante distinção do Estado Angolano neste sector, tendo como principal objectivo incentivar a criação artística e cultural, bem como a investigação científica no domínio das ciências humanas e sociais.

É atribuído nas categorias de literatura, artes plásticas, dança, música, teatro, cinema e audiovisuais, investigação em ciências humanas e sociais, festividades culturais populares e jornalismo cultural.

O prémio constitui uma homenagem e incentivo ao génio criador dos angolanos, de modo a perpetuar entre os cidadãos ideias tendentes à compreensão das múltiplas formas da criação artística e diversidade das manifestações linguísticas e culturais do povo e da Nação.

error: Content is protected !!