Banca injecta AKz 141 mil milhões para financiar PRODESI

Cento e 41 mil milhões de kwanzas é o valor que os bancos comerciais vão pôr à disposição do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), para financiar os produtores nacionais. O objectivo é de aumentar os índices de produtividade na campanha agrícola 2019/2020

A informação foi prestada pelo secretário de Estado da Economia, Sérgio de Sousa Mendes dos Santos, na 7ª edição do Fórum dos Municípios e Cidades de Angola. O responsável referiu que o Governo angolano dispõe de 25 milhões de kwanzas de garantia, de modo a que os produtores tenham acesso ao crédito com juros reduzidos, visando o aumento da produção agrícola, para diminuir as importações.

Sérgio de Sousa Mendes dos Santos informou que o Ministério da Economia e Planeamento registou, através do aplicativo da internet, 15 mil produtores que exercem as suas actividades nas comunas, municípios e nas sedes provinciais, num universo de 54 produtores seleccionados. Por este facto, disse que as autoridades estão a levar a cabo um amplo processo de organização e legalização das cooperativas, a estruturação das empresas e formalização da sua actividade económica, enquanto decorre a colecta de informações dos novos produtores que deverão ingressar na cadeia de produção e, por conseguinte, beneficiarem de crédito.

Esta iniciativa, realçou o secretário de Estado, visa potenciar os produtores nacionais sobre as prioridades que devem ter nas compras públicas e na distribuição, com o objectivo de revitalizar o comércio rural, dentro dos princípios da distribuição moderna e tornar prioritária as grandes superfícies na compra da produção nacional, com destaque para os órgãos de Defesa e Segurança. Aprovado em Novembro de 2018 pelo Executivo, o PRODESI é um dos 83 programas do PDN, a ser implementado em parceria entre o Estado, os empresários e centros universitários de investigação científica, exigindo, deste modo, o registo dos 15 mil produtores que intervêm na cadeia produtiva e criar condições para transformar o que produzem, bem como para a sua conservação e melhor qualidade.

Entre os 54 produtos constam embalagens de vidro, farinha de trigo, abacaxi, açúcar, água de mesa, feijão, ovos, óleo, cebola, sal, cimento, detergentes, fraldas descartáveis, milho, fuba de milho e de bombó, guardanapos, papel higiénico, rolos de papel para cozinha, leite, lixívia, mandioca, manga, massa alimentar, mel, entre tantos outros. Estiveram presentes no evento, responsáveis dos departamentos ministeriais, governadores e vice-governadores das 18 províncias do país, os administradores dos 164 municípios de Angola, parceiros sociais e convidados.

error: Content is protected !!