Raul Danda ambiciona imprimir nova dinâmica à gestão da organização do “Galo negro”

na senda da campanha de sucessão do presidente Isaías Samakuva, o candidato Raul Danda esteve, nesta quinta-feira, no município de Malanje, para falar, de forma particular, com os delegados ao 13º Congresso, e também com os militantes e quadros do seu Partido, para explicar os argumentos de razão da sua concorrência à presidência da UNITA.

Em entrevista colectiva concedida à média local, Raul Danda, afirmou que a definição do seu projecto consiste na capacidade de concretizar os caminhos que visam chegar ao poder e exercê-lo, em benefício dos angolanos sem qualquer tipo de exclusão, sobretudo, olhando para aqueles que são menos desfavorecidos e os menos equipados.

Questionado sobre a sua condição de ser o único candidato do norte de Angola, Raul Danda isso dá o sentido de representatividade nacional da União Nacional para Independência Total de Angola. Ademais, entende que, o facto de nascer em Cabinda, concorre em vantagem sobre os seus rivais, por na história da organização do “Galo Negro”, nunca ter havido ninguém do norte ou do leste de Angola, que tivesse candidatado, cuja candidatura foi rejeitada.

Por isso, argumentou, que sendo ele de Cabinda, está a dar a possibilidade de mostrar às pessoas, aos militantes e, até, ao próprio Partido, que a UNITA pode ter um presidente do norte de Angola. Todavia, apesar de reconhecer a valia dos seus concorrentes, Danda considera que a UNITA precisa ter o melhor para a presidência, da isso dá o sentido de representatividade nacional da União Nacional para Independência Total de Angola. Ademais, entende que, o facto de nascer em Cabinda, concorre em vantagem sobre os seus rivais, por na história da organização do “Galo Negro”, nunca ter havido ninguém do norte ou do leste de Angola, que tivesse candidatado, cuja candidatura foi rejeitada. Por isso, argumentou, que sendo ele de Cabinda, está a dar a possibilidade de mostrar às pessoas, aos militantes e, até, ao próprio Partido, que a UNITA pode ter um presidente do norte de Angola. Todavia, apesar de reconhecer a valia dos seus concorrentes, Danda considera que a UNITA precisa ter o melhor para a presidência, no caso, ele é a pessoa que reúne referências para assumir a liderança do Partido, por confiar em si mesmo, na sua humildade, na sua capacidade física e intelectual, na entrega e vontade de trabalhar em prol da sua organização partidária.

Em caso de vitória Raul Danda ambiciona imprimir nova dinâmica à gestão da organização do “Galo Negro”, sem pretender fugir a orientação política de Muangai e os estatutos do Partido. Por isso, com base no lema do seu manifesto subordinado ao lema: “Transformar as Ambições em Acções, para que as Aspirações dos Desfavoreci

em entrevista colectiva concedida à média local, Raul Danda, afirmou que a definição do seu projecto consiste na capacidade de concretizar os caminhos que visam chegar ao poder e exercê-lo, em benefício dos angolanos sem qualquer tipo de exclusão, sobretudo, olhando para aqueles que são menos desfavorecidos e os menos equipados.

Questionado sobre a sua condição de ser o único candida
no caso, ele é a pessoa que reúne referências para assumir a liderança do Partido, por confiar em si mesmo, na sua humildade, na sua capacidade física e intelectual, na entrega e vontade de trabalhar em prol da sua organização partidária.

Em caso de vitória Raul Danda ambiciona imprimir nova dinâmica à gestão da organização do “Galo Negro”, sem pretender fugir a orientação política de Muangai e os estatutos do Partido.

Por isso, com base no lema do seu manifesto subordinado ao lema: “Transformar as Ambições em Acções, para que as Aspirações dos Desfavorecidos Encontrem Soluções”, disse que em caso de vitória consta da sua pretensão a redução do tamanho do Comité Permanente da UNITA em um órgão menor, mas que seja um núcleo duro que estude melhor as estratégias e dê orientações, precisas, para as acções a serem realizadas pelo Partido.

Linhas de força

Fazendo menção as suas linhas de força, Danda pretende promover a valorização da mulher e assegurar a sua presença em 45 por cento sua estrutura directiva, e em virtude das suas competências, ao longo do tempo lutar para a paridade, a julgar pelo papel preponderante que elas vem assumindo ao longo do percurso histórico e político do país.

De igual modo, garantiu que a juventude vai merecer a sua atenção nas fileiras do Partido no sentido de se lhe dar a oportunidade de estar ao lado dos mais velhos para absorver os valores e princípios que regem a organização, para o futuro assumirem a responsabilidade.

“Pretendo implementar um plano de formação para os jovens que forem seleccionados, para que dentro das suas responsabilidades sejam orientados a assumirem a liderança da organização, em função das suas virtudes, em substituição dos mais velhos quando não poderem mais”, sublinhou.

Também – acrescentou – pretende olhar para a condição dos mais velhos, no sentido de congregar a sua sabedoria e ajudarem a orientar o presidente do Partido na solução e resolução dos problemas da organização.

Eleições gerais

Eleito presidente, promete levar a UNITA numa postura diferente, começando por dialogar com os irmãos do MPLA e dizêlos que à luz da Constituição da República de Angola (CRA) é crime, e tornar nula a assumpção do poder, por outras vias não democráticas previstas na CRA.

Apontou aponta a necessidade de combater a promiscuidade entre os poderes executivo, judicial e legislativo, para em grande rigor mudar tornar as eleições livres, justas, transparentes.

Para tal, defende a revisão da constituição, no sentido de olhar para o Estado e reformular algumas regras para que toda gente tenha o mesmo ponto de partida, em face das fraudes eleitorais das eleições de 2008, 2012 e 2017.

error: Content is protected !!