Executivo disponibiliza mais de cinco mil milhõesde kwanzas para execução do PIIM no Amboim

O administrador local assegura que os cinco mil milhões de kwanzas disponibilizados no âmbito do referido plano, de iniciativa presidencial, não vai atender a todas as preocupações, dada a sua insuficiência, mas garantiu que se vai trabalhar no sentido de atender às necessidades mais urgentes

Por:Domingos Bento 

Cinco mil milhões de kwanzas é o valor que o executivo central disponibilizou para a implementação e a execução do Plano integrado de Intervenção Municipal (PIIM) no município de Amboim, província do Cuanza-Sul, revelou a OPAÍS o administrador local, Francisco Mateus. Segundo o governante, ao todo, são seis programas inscritos no PIIM dos quais destacam-se a construção de escolas, hospitais, reabilitação de troços rodoviários, a aquisição de equipamentos de saneamento básico, melhoria no sistema de abastecimento de água e a reabilitação da única piscina municipal, que há muitos anos anda paralisada devido ao avançado estado de degradação. Questionado sobre a quantidade das verbas, Francisco Mateus disse que a mesma é insuficiente a julgar pelas enormes dificuldades que o município atravessa que vão desde a carência de hospitais, escolas, vias de comunicação, degradação das infraestruturas públicas, entre outras necessidades.

Porém, conforme explicou, os cinco mil milhões de kwanzas disponibilizados pelo referido plano, de iniciativa presidencial, não vão atender a todas as preocupações dada a sua insuficiência, mas vai-se trabalhar no sentido de atenuar as necessidades mais urgentes, fundamentalmente, no sentido de dar uma melhoria na qualidade de vida dos munícipes local “É uma gota no oceano. Mas acredito que é o que foi possível atribuir. Nós gostaríamos de ter mais, mas o que foi dado penso que vai dar uma outra imagem àquilo que se pretende com a criação de condições básicas para a população”, frisou.

Transparência garantida Relativamente ao processo de transparência na gestão das verbas, o administrador local assegurou uma gestão rigorosa e dentro dos marcos da lei de formas a possibilitar que o processo de facto seja executado na sua plenitude. Francisco Mateus disse que as empresas que vão executar as obras, no âmbito da implementação do PIIM, foram submetidas a um concurso púbico onde concorreram mais de 30 firmas, entre locais e de outras partes do país. Também todos os procedimentos e exigências foram já encaminhadas à Direcção Nacional de Investimentos Públicos, em Luanda, que fará a apreciação das acções elaboradas localmente.

De acordo ainda com o governante, dada a necessidade de emprego naquele município, uma das exigências estabelecidas às empresas é que parte da mão-de-obra que vai executar os projectos seja local, sobretudo jovens, para lhes proporcionar a oportunidades de trabalho que, à semelhança do país todo, é um dos grandes dilemas que o Amboim enfrenta. “Os valores só serão disponibilizados logo que se cumprirem com todos os procedimentos. E nós fizemos a nossa parte, estamos à espera da resposta dos técnicos da Direcção Nacional de Investimentos Públicos que estão a apreciar o nosso dossier”, apontou.

error: Content is protected !!