Dívida de 200 milhões de kwanzas inviabiliza conclusão da escola secundária da Quibala

Dívida de 200 milhões de kwanzas inviabiliza conclusão da escola secundária da Quibala

Uma dívida pelo trabalho executado, avaliado em 200 milhões de Kwanzas, forçou, desde 2017, à paralisação da construção da Escola Secundaria do município do Quibala, província do Cuanza-Sul. O empreiteiro da obra, Júlio de Almeida, disse que o atraso na conclusão da infra-estrutura se deve à falta de liquidação da dívida, mas assegurou que caso o Governo regularize a situação, até ao final deste ano, em Maio de 2020 poderá entregá-la. Esse estabelecimento de ensino visa dar resposta à enorme carência que se regista neste município.

“A dívida do trabalho prestado são de 200 milhões de kwanzas e desde Outubro de 2015 que não nos pagam. Ainda assim, nós trabalhamos até 2017. Por enquanto a obra encontra-se paralisada. Mas caso seja regularizada a dívida até ao final deste ano, prometemos entregar a obra até Maio de 2020”, assegurou.

A referida escola terá 20 salas de aulas, cinco laboratórios, um internato e prevê albergar 128 crianças. Vai dispor ainda de áreas para escritórios, campos desportivos, entre outros compartimentos. Ontem, no quadro das festividades relativas aos 44 anos da Independência Nacional, o vicepresidente da Republica, Bornito de Sousa, visitou a unidade, mas não avançou garantias sobre a liquidação da dívida.

Porém, durante o seu discurso, no acto central da Independência, o governante deu a conhecer que o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2020 deverá reservar mais de 60 por cento das receitas para o pagamento das dívidas públicas herdadas, limitando significativamente as disponibilidades para as restantes despesas e exigindo uma gestão parcimoniosa e exigente dos recursos disponibilizados.

Segundo o vice-presidente, o Executivo continuará a prestar uma atenção particular aos sectores da saúde e da educação. Neste sentido, frisou os números das contratações de pessoal para as duas áreas, tendo dado a conhecer que só na educação, recentemente, foram admitidos mais de 19 mil professores e técnicos administrativos e no presente ano estão em processo de preenchimento 10 mil vagas.

Cinco municípios livres do analfabetismo Ainda no segmento da educação, Bornito de Sousa deu a conhecer que um total de cinco municípios da província do Cuanza-Sul poderão, em breve, ser declarados livres do analfabetismo. Sem avançar os nomes das municipalidades, o governante reconheceu que tal mérito se dev também às acções de voluntariados levadas a cabo por grupos de cidadãos e instituições privadas que vêm ajudando o Executivo nessa árdua tarefa.

Por esse feito, pediu que se desse mais importância ao voluntariado, de forma a continuar a promover esse importante gesto. “É preciso desenvolver o programa de alfabetização essencialmente com base no voluntariado e parabenizar os administradores municipais por alcançarem a meta de município livre do analfabetismo”, frisou.

Energia eléctrica poderá chegar a Quibala

Por outro lado, Bornito de Sousa reconheceu que a província do Cuanza-Sul tem um grande potencial, desde solos férteis, recursos hídricos abundantes, um mar rico, belas paisagens, importantes eixos rodoviários, condições para a agricultura e pecuária empresarial e familiar para a indústria e o turismo.

Porém, apesar deste potencial, parte da província, como é o caso da Quibala, ainda se debate com o problema de energia eléctrica. Assim, com vista a resolver essa problemática, o governante deu a conhecer que o Executivo está a tomar medidas para que nos próximos meses se resolva o problema do fornecimento da energia pela rede nacional na Quibala e no Waku Kungo.

“Já a capital da província, Sumbe, contará, em breve, com a centralidade de Quibaúla que disponibilizará a mais de duas mil habitações, iniciativa a que se devem juntar a criação de espaços para o desenvolvimento da auto-construção dirigida nos vários municípios”, avançou o vice-presidente.

Relativamente ao sector rodoviário, Bornito de Sousa disse que os esforços em curso para a reabilitação dos troços Gabela-Quilenda, Condé-Ebo, Cariango- Mussende, Quicombo-Sumbe e Calulo-Munenga em muito ajudarão ao desenvolvimento das potencialidades da província.