Obras da centralidade de Malanje em “stand by”

Os atrasos na disponibilização de verbas por parte do Ministério do Urbanismo e Habitação à empresa Ingenium estão a condicionar o andamento normal das obras da centralidade de Malanje. Segundo o director de produção da referida empresa, Ricardo Martins, a situação está a criar embaraços para a conclusão da primeira fase, uma preocupação manifestada na última semana ao governador provincial, quando efectuava uma visita de constatação às obras da centralidade.

A empreitada que está a ser erguida numa área de 7 hectares, terá numa primeira fase 14 edifícios, com um total de 212 apartamentos e empreendimentos sociais como escola, hospital, creche, lojas e posto policial. Segundo o responsável, as obras encontram-se a 25 porcento de execução física, estando já erguidos 9 edifícios dos 14 preconizados. O responsável da empresa fez saber ainda que os trabalhos executados até ao momento, estimam- se em 8 mil milhões de Kwanzas, sendo que deste valor, apenas 4 mil milhões foram desembolsados pelo Ministério do Urbanismo e Habitação.

Na ocasião, o governador provincial, Norberto dos Santos, garantiu que vai apresentar a preocupação dentro de dias ao Ministério do Urbanismo, Ordenamento do Território e Habitação, de modo a dar maior celeridade à empreitada. Por outro lado, o governante frisou que o governo vai continuar a ceder terrenos para a materialização da casa própria, por via da auto-construção dirigida. Além da centralidade de Malanje, situada no bairro Carreira de Tiro, cujas obras iniciaram em 2017 e estão orçadas em USD 35 milhões, o governador inteirou- se também das obras de construção da Casa da Juventude e dos projectos de abastecimento de água de Cangandala.

error: Content is protected !!