“Albinos só vão ao hospital com a doença da pele em estado avançado”

54% dos doentes albinos atendidos no Serviço de Dermatologia e venereologia do Hospital Américo boavida apenas procuram por cuidados médicos quando já apresentam tumores e outros tipos de complicações cutâneas, segundo o director dos Serviços de Consultas Externas desta unidade, Pascoal Alberto, à margem do 3º Workshop Internacional de Dermatologia que aconteceu ontem em Luanda

De acordo com o dermatologista Pascoal Alberto, em 2019 foram observados no Américo Boavida 205 albinos e mais de metade destes procurou o hospital numa situação já difícil da sua patologia. Pascoal Alberto apontou a falta de informação como uma das principais causas deste problema, tendo dito que muitos albinos desconhecem, inclusive, que o sol é prejudicial para a sua pele.

Aliás, os médicos participantes no workshop foram unânimes em afirmar que os poucos que chegam às consultas com informações básicas sobre os cuidados a ter com a pele, recebem-nas de associações a que estão vinculadas ou de familiares próximos que estão esclarecidos sobre o assunto.

Dos 205 pacientes atendidos entre Janeiro e Outubro de 2019, 134 foram observados pela primeira vez, todavia, com apresentação de tumores e outros tipos de cancro de pele.

Pascoal Alberto frisou que “o cancro da pele anuncia a sua vinda e pode ser prevenido, contudo, o facto de os pacientes só procurarem o hospital quando já têm tumores, faz com que os resultados nem sempre sejam animadores”. Embora em algumas províncias existam serviços dermatológicos, alguns doentes, em que estão incluídos albinos, preferem deslocar-se a capital do país para serem tratados no Hospital Américo Boavida.

O Serviço de Dermatologia e Venereologia do Américo Boavida atendeu no período em referência 5 mil e 296 pacientes, tendo registado uma ligeira redução comparativamente ao mesmo período do ano anterior “Registamos uma redução de cerca de 57 pacientes, mas isso se deve à diminuição da oferta”, disse, Pascoal Alberto.

Na abertura do evento, o director-geral do Hospital Américo Boavida, José Matamba, disse que esta unidade é a pioneira na formação de técnicos de saúde na área dermatológica a nível do país, realçando que a instituição continuará a privilegiar a acção
investigativa e formativa.

O Hospital Américo Boavida implementou o serviço de dermatologia no ano de 1980 e desde a sua génese mantém o seu foco na assistência médica e também no ensino e investigação, tendo já 16 especialistas para o país.

error: Content is protected !!