Secretário das pescas considera péssima higiene na Mabunda

O secretário de Estado do Ministério das Pescas e do Mar, Carlos Cordeiro, considerou, nesta Segunda-feira, péssimas as condições higiênicas nos arredores do mercado da Mabunda, no distrito urbano da Samba, município de Luanda. No espaço é visível o lixo (plásticos, garrafas e outros objectos arrastados pela água do mar), situação que hoje motivou a presença de centenas de funcionários do Ministério das Pescas e do Mar para uma campanha de limpeza, que decorreu sob o lema “Praias limpas, um património comunitário – Seja um voluntário”. Já no interior do mercado oficial, que na Segunda-feira está encerrado para limpeza, as condições de higiéne são diferentes.

Em declarações à imprensa, durante a actividade, Carlos Cordeiro defendeu que deve-se manter a dinâmica das campanhas de limpeza, solicitando para o efeito que a comunidade se junte à iniciativa do Governo Provincial de Luanda (GPL), de manter a área limpa. A actividade enquadrada no 43º aniversário do ministério, assinalado no Sábado (23), vai decorrer noutras localidades com o apoio dos governos provinciais. Em Julho de 2018, as autoridades sanitárias angolanas detecta ram micro organismos patogénicos, principalmente o vibrião colérico, na praia da Mabunda.

Devido à situação, naquele mês, as autoridades sanitárias proibiram qualquer actividade comercial de pescado no local, onde os fregueses também mandavam preparar o peixe em condições anormais de higiene. Toda a actividade de descarga, a grosso, de peixe foi transferida para o porto pesqueiro de Luanda, entre a Boavista e fortaleza do São Pedro da Barra, enquanto a revenda de pescado acontece num mercado que foi inaugurado a 23 de Novembro de 2017, com capacidade para mais de mil trabalhadores.

error: Content is protected !!