Dois mortos no Congo, quando manifestantes incendiaram edifícios da ONU após massacre

duas pessoas foram mortas em confrontos com a Polícia no Leste do Congo nesta Segunda-feira, depois de manifestantes terem incendiado, na cidade de beni, o escritório do prefeito e vários edifícios da ONU, numa nova rodada de violência de supostos rebeldes islâmicos.

Os rebeldes que supostamente pertencem às Forças Democráticas Aliadas (ADF) mataram oito pessoas em uma operação noturna, disse a polícia, alimentando a fúria dos moradores com a inacção percebida pelo governo e por uma missão de manutenção da paz na ONU.

A polícia disse que os manifestantes incendiaram o gabinete do prefeito. Um tweet da força policial mostrou chamas saindo da janela e fumaça preta espessa a sair. Os manifestantes marcharam para os escritórios da missão de paz da ONU no Congo (MONUSCO), disse Teddy Kataliko, líder da sociedade civil em Beni. “Vários escritórios na sede da MONUSCO foram incendiados e saqueados”, disse Kataliko.

“Os moradores estão a exiguir a retirada da MONUSCO de Beni por causa da inacção das forças da ONU.” Duas pessoas foram mortas por tiros nos protestos, disse à Reuters o comandante da polícia de Beni, Safari Kazingufu. As Nações Unidas disseram que um civil e um polícia morreram e que alguns dos seus escritórios foram vandalizados.

“Entendemos a raiva e a frustração da população, mas pedimos para entender que, atacar instalações da ONU ou locais … na verdade enfraquece as operações do exército congolês contra o ADF”, disse Matthias Gillman, portavoz da ONU. A missão da ONU não participa na ofensiva do exército contra o ADF, lançada no final do mês passado, acrescentou ele, além de fornecer inteligência e assistência médica.

Os combatentes do ADF mataram mais de 70 civis em ataques de represália desde que essas operações começaram, segundo o Kivu Security Tracker, um grupo de pesquisa. “É escandaloso que civis morram dia após dia enquanto a polícia local e as forças de paz da ONU nas proximidades permanecem nos seus campos”, disse Seif Magango, do grupo de direitos humanos Amnistia Internacional.

O denso terreno da selva dificulta a protecção de todas as aldeias remotas, especialmente quando os ADF tendem a atacar silenciosamente à noite, disseram as Nações Unidas. “Não podemos colocar um pacificador atrás de todos os congoleses”, disse Gillman. A violência do ADF e uma manta de retalhos de milícias e bandos criminosos perto das fronteiras do Congo com o Uganda e Ruanda dificultaram os esforços para erradicar um surto de Ébola que durou mais de um ano, que é o segundo mais mortal de todos os tempos.

O ADF, um grupo militante islâmico fundado no vizinho Uganda, opera no Leste do Congo há duas décadas. Alguns ataques do ADF foram reivindicados pelo Estado Islâmico, embora a extensão de qualquer relacionamento entre os dois grupos não esteja clara.

error: Content is protected !!