Exploração petrolífera aposta na tecnologia

A aposta na utilização das tecnologias sísmicas no sector dos recursos minerais em Angola vai ajudar na prospecção e intensificar a exploração petrolífera em profundidade, afirmou ontem,28, em Luanda, o secretário de estado para Geologia e Minas, Jânio Correia Victora

Esta nova técnica de prospecção de hidrocarbonetos a uma profundidade superior a 5 quilómetros, vai ajudar na exploração, principalmente, das camadas de pré-sal nos novos blocos do sul da bacia de Benguela e Namibe, cujo processo de licitação está em curso” afirmou. Jânio Correia Victor, que falava à imprensa no workshop sobre “Uso das Tecnologias sísmicas na exploração petrolífera offshore em Angola”, acrescentou que a aposta nesta técnica vai permitir a descoberta de informações valiosas dos hidrocarbonetos do país.

O pré-sal é uma área de reservas petrolíferas que fica debaixo de uma profunda camada de sal, formando uma das várias camadas rochosas do subsolo marinho. Por sua vez, o presidente da Associação de Geofísica de Angola (ASGA), Alberto de Carvalho, explicou que o evento visa reflectir sobre a exploração em offshore em Angola, assim como repensar as estratégias de exploração de recursos minerais no país.

A iniciativa da ASGA, que teve como prelector o britânico Matt Tyrrel permitiu aos pleyers do sector petrolífero nacional perceberem sobre outras formas de exploração de hidrocarbonetos. Com está formação pretendese descobrir novos reservatórios, aumentar a produção petrolífera no país, assim como o relançamento da prospecção do présal em Angola, através de imagens fiáveis destes reservatórios profundos. ASGA, que congrega mais de 100 associados, entre nacionais e estrangeiros, foi criada em 2008.

error: Content is protected !!