Adalberto Júnior procura quadro para ombrear com Falcão em Benguela

Militantes, amigos e simpatizantes da UNITA em Benguela estão em expectantes sobre quem a presidência do partido vai indigitar para secretário provincial. Aventava-se o nome de Abílio Kaunda, mas “homens de peso” dizem que este ainda não reune “perfil político” para Benguela

Por:Constantino Eduardo, em Benguela

Tudo indicava que a aposta do presidente da maior formação política opositora em Angola, Adalberto Costa Júnior, recaía para Abílio Kaunda, o segundo secretário de Alberto Ngalanelã, mas a proposta terá sido travada por aqueles a quem uma fonte de OPAÍS chama de “pesos pesados”. Ngalanelã foi indigitado no cargo de 1º secretário do Grupo Parlamentar da UNITA na Assembleia Nacional, logo, terá de abandonar o cargo que vinha exercendo em Benguela. E, em seu lugar, a direcção do partido terá de nomear uma outra individualidade, embora, como ele sublinhou a OPAÍS, ainda não tenha sido exonerado.

Estando às portas as eleições autárquicas, o partido de Adalberto sabe que o substituto de Ngalanelã terá de ser alguém que reúna perfil para não decepcionar o partido nas urnas. “Está difícil encontrar um secretário para aí”, confessou Alberto Ngalanelã, ressaltando que Benguela é a única província no país que ainda não tem secretário nomeado. À reportagem de OPAÍS, na sede da UNITA, na Quinta-feira, 28, alguns militantes manifestaram- se expectantes sobre quem será a aposta do presidente do partido para Benguela.

“A única informação que tínhamos era a de que o companheiro Kaunda seria o chefe, mas depois, um membro da direcção, sob anonimato, disse que não” Em função do desafio político e a relevância geoestratégica de Benguela, “os pesos pesados do partido”, segundo fontes consultadas pelo OPAÍS, terão aconselhado ao substituto de Samakuva que Abílio Kaunda não reunia, ainda, arcabouço político suficiente para competir com um Rui Falcão, secretário provincial do MPLA, com uma longa estrada percorrida na política. Fontes do “galo negro” consideram-no um autêntico “animal político”, pelo que o secretário teria de estar à altura.

Na conversa que manteve com OPAÍS, via telefónica, Alberto Ngalanelã, que desconhece a pretensão do presidente do partido de nomear Abílio Kaunda para o secretário provincial, por não ter sido consultado, refere que o seu substituto terá de ser uma pessoa consensual a nível da sociedade, apontando a “boa imagem” como um dos condimentos. “Terá de ser uma pessoa que tenha simpatia pelo eleitorado das paredes partidárias”, adverte o secretário-cessante, depositando, entretanto, confiança em Adalberto Costa Júnior, por ser uma pessoa conhecedora da realidade Benguela .

error: Content is protected !!