IV Edição do “Jazzing” destaca empoderamento feminino

“Eva Jazz – Jazzing Feminino” foi o tema do concerto, que para condizer com o cartaz, reuniu apenas mulheres. De Angola, Aline Frazão, e do Brasil Paula Lima e Maíra Freitas, fi lha do sambista Martinho da vila

Por:Adjelson Coimbra

O empoderamento feminino esteve em causa durante a IV edição do concerto Jazzing, realizado neste Sábado, 7, no palco do Yacht Club de Luanda, sito na Ilha. Sob o tema “Eva Jazz – Jazzing Feminino”, o concerto teve uma produção maioritariamente feminina, inclusive em áreas mais técnicas, o que se tem tornado comum nos dias de hoje. Assim, o evento teve início às 21 horas, com Maíra Freitas, detentora de uma voz poderosa, conforme afi rmam os seus fãs em entrevistas a alguns canais brasileiros.

Trajada de um vestido vermelho, com riscas verdes, amarelas e azuis, que realçavam a gravidez, de que muito se orgulha, conforme demonstrava ao longo do show, Maíra Freitas, subiu ao palco para entoar suas canções. “Não sei, sei lá” e “Gargalhada”, foram as canções iniciais, que começaram a “aquecer” a plateia, numa noite fria, por infl uência do espaço, sito à beira mar.

Pianista desde os sete anos, Maíra mostrou a técnica no instrumento com a música “Te Amo”. A brasileira entoou ainda “Corselete”, “Feeling Good”, “Recado”, bem como “Nua”, canção que retrata a aceitação da mulher, apesar das diversas transformações que poderão ocorrer no seu corpo. Impossível seria não cantar “Desavisado”, segundo a cantora que interagia com a plateia ao longo da sua performance. De acordo consigo, esta canção foi escrita com a sua irmã e integra o seu último álbum, lançado em 2015, intitulado “Piano e Batucada”. Para encerrar a sua actuação, sugestivamente, Maíra cantou “O Show Tem Que Continuar”, em uníssono com a plateia. Vale ressaltar que Maíra foi a única cantora, cuja banda esteve composta somente por mulheres.

Aline Frazão continua com mudança de “vibe”

Por seu turno, depois de músicas parcialmente mexidas de Maíra Freitas, Aline Frazão, vestida de blusa preta que exibia suas costas e um saião que comportava várias cores, trouxe uma “vibe” mais sossegada. Por se tratar do empoderamento feminino, a escolha de Aline Frazão como cabeça de cartaz do evento tem a ver com o facto de a mesma integrar a coordenação do colectivo de mulheres feministas angolanas. Entretanto, Frazão cantou algum de seus sucessos como “Kapiapia”, que abriu a sua performance, “Susana/Nguxi”, “Crónica de um desencontro”, “Ces Petits Riens”. A cantora ainda cantarolou “Cacimbo”, embora estivesse- se no tempo de calor, “Sol de Novembro”, mesmo em Dezembro, ”Langidila”, música que rende tributo a nacionalista Deolinda Rodrigues, “Areal de Cabo Ledo”, “Manazinha”, bem como “Um Corpo Sobre o Mapa” e “Tanto” .

Paula Lima encerra o evento

Paula Lima é uma cantora influenciada pela bossa nova, percussão, samba, funk internacional e soul brasileiro. Ela tem fortes referências musicais e o provou durante o evento ao cantarolar músicas como “Bom Mesmo É Amar”, “É Isso”, “Cirandar”, “Já Pedi para Você Parar”, “Mil Estrelas” e Gafi eira”.

error: Content is protected !!