Actores debatem “importância da adesão às salas de espectáculos”

Com este assunto desenvolvido através do projecto “Há Teatro noCamões”, pretende- se despertar os actores de teatro de que, além dos amantes e apreciadores desta arte, é também necessária a presença dos mesmos nos espectáculos, com vista a promover a união e o motivo de incentivo

Por: Antónia Gonçalo

Os actores de teatro em Luanda, por meio de uma mesa redonda, vão debater sobre a “Ausência dos artistas de teatro nas salas de espectáculos”, no âmbito da XXIV edição do projecto “Há Teatro no Camões”, que arranca hoje às 17 horas, no Auditório Pepetela, do Camões/Centro Cultural Português (CCCP). O tema a ser discutido no segundo dia desta actividade de periodicidade trimestral, será dirigido pelo director e professor de teatro Tony Frampénio, a actriz Carla Rodrigues e o director de teatro, Azevedo Bochecha.

Segundo o coordenador do projecto, José Teixeira, pretende-se com o tema despertar nos actores de teatro que, para além dos amantes e apreciadores desta arte em vários espectáculos, é também necessária a presença dos próprios actores, de modo a impulsionar e promover a união e servir de incentivos aos fazedores da arte teatral, uma vez que, não havendo esta participação, segundo José Teixeira, fica demonstrada a falta de união entre os actores.

Entretanto, se parte dos 500 grupos existentes em Luanda aderisse às salas de espectáculos, ajudaria a colmatar o défice de público, assim como realizar o intercâmbio através das várias exibições. “Há um problema muito grande no teatro. Há uma crise de público. Notamos que até os próprios actores não aderem aos espectáculos. Devemos ser nós mesmos o público do teatro e não depender muito dos apoios. Se cada um de nós tiver essa consciência será benéfico para a nossa arte”, considerou. O coordenador da actividade alertou ainda para a nova tendência, da venda no geral dos ingressos para aderir às salas de espectáculos, que, segundo ele, afastou ainda mais os actores, por estes muitas vezes sentirem-se isentos de pagamento dos ingressos.

“Muitos deles querem assistir sem pagar o ingresso. Mas defendo que devem sim pagar a sua entrada nestes espaços, de modo a contribuir também para o crescimento económico dos grupos”, observou. Outro tema O projecto vai ainda promover o debate em relação aos “Festivais e o seu impacto social e artístico em Angola”, dirigido pelo director de teatro Walter Cristóvão, o coordenador do Circuito Internacional de Teatro, Adérito Rodrigues, o também coordenador do Festival Nacional de Teatro (FestPaz), Osvaldo Moreira, e a participação dos directores de teatro de Benguela, Huambo e do Bié.

Os convidados vão abordar a importância das exibições nos festivais, através das várias obras que abordam os problemas sociais e políticos do país, com o objectivo de reeducar, formar e informara sociedade, além de recriar. Durante os encontros serão também exibidas duas peças teatrais, designadamente “Alambamento da Cantina” e “Um Mundo Tipo Assim…”, do grupo Amazonas e dos Estudantes da 13ª classe do Complexo de Escolas de Arte.

leave a reply