BNA recua e reduz de 50 para USD 30 milhões as vendas diárias de divisas

O Banco Nacional de Angola (BNA) reduziu esta semana, de USD 50 milhões para 30 milhões, a realização diária de leilões aos bancos comerciais. No entender do fi scalista Silvestre Francisco, ao reduzir o valor para USD 30 milhões o Banco percebeu que não é a medida mais acertada e poderá acelerar o mercado cambial

Por:Patrícia de Oliveira

Até Sexta-feira 13, do mês em curso, o BNA tem disponíveis USD 150 milhões para serem vendidos em leilões diários, no valor de 30 milhões por dia, uma redução de 20 milhões de dólares, de venda por leilão, observando-se assim um recuo numa medida tomada na primeira semana de Dezembro. Segundo o especialista em Impostos, Silvestre Francisco, “as medidas implementadas pelo BNA em realizar leilões diários poderá acelerar o mercado, criar expectativas nos consumidores, fornecendo dólares aos bancos comercias, criando falsa expectativa de existência de divisas no mercado. Os bancos serão os benefi ciários e isso pode prejudicar as Reservas Internacionais Líquidas”, admitiu.

Para ele, os bancos comerciais ainda têm muitos problemas conjunturais e deixá-los controlar as divisas não é a medida mais correcta. Todavia, entende que o anterior modelo permitia a circulação de divisas por parte das empresas que facturavam em divisa e era mais vantajoso. “Os bancos comerciais fi caram durante muito tempo sem dólares, no entanto, os clientes dependem de dólares porque estamos numa economia dependente da importação”, lembrou. Francisco Silvestre diz que “O BNA ao lançar esse dinheiro para controlar os bancos comerciais pode não atingir os seus objectivos. Antes pelo contrário, o resultado pode ser negativo”, vaticina, acrescentando que o BNA vai continuar a injectar os USD 30 milhões que pretende

Benefícios para alguns

O fiscalista reforça que a medida do BNA pode resultar no acelerar do mercado cambial uma vez que vai continuar a injectar os dólares que, no seu entender, podem ser utilizados pelos bancos comerciais para fi ns pouco claros. Admite, por exemplo, que poucos serão os beneficiários. “Vamos continuar com o problema do mercado cambial, bem como a depreciação da moeda nacional e a valorização dos dólares continuará em alta, e o mesmo vai acontecer com os preços dos produtos”, alerta. O especialista aponta como medida de resolução, em primeira instância, o reforço da produção interna que, segundo ele, é fundamental, pois tem importância transversal. Através do fomento da produção, prosseguiu, é possível exportar, adquirir divisas, e ter preços moderados dos produtos em todo o território nacional

“É preciso a tomada de medidas capazes de dar primazia à produção. É deste modo que podemos inverter o quadro da taxa de câmbio”, disse. A única forma para resolver o problema é deixar essa medida implementada pelo BNA “que passa por tirar a mão do mercado cambial” e deixar a taxa de câmbio flutuar e não termos uma taxa muito baixa. Na semana de 02 a 06 de Dezembro, o BNA colocou no mercado USD 250 milhões, tendo vendido USD 50 milhões por via de leilões diários. Para cada sessão, o BNA garante a divulgação do montante efectivado, taxas de câmbio mínima e máxima, número de participantes e a taxa de câmbio média resultante da sessão.

error: Content is protected !!