Catoca prevê facturar cerca de USD 740 milhões em 2019

A Sociedade Mineira de Catoca prevê encerrar 2019 com uma facturação a rondar os USD 740 milhões. Em termos de impostos e contribuições, estima-se para este ano gerar cerca de USD 130 milhões a favor do Estado A Sociedade Mineira de Catoca prevê fechar as contas de 2019 com uma facturação a rondar os USD 740 milhões de dólares, menos 10 milhões do que no ano económico de 2018, onde registou uma facturação de 750 milhões. Esta ligeira baixa é consequência da queda do preço do diamante no mercado internacional, na ordem dos 26%, registada desde finais do ano passado, segundo dados apresentados no último conselho de direcção alargado, realizado recentemente na província da Lunda-Sul.

Na ocasião, fez-se saber que a queda do preço do diamante no mercado internacional foi compensada com o aumento da produção, por isso foi possível mitigar os seus efeitos sobre a facturação, não afectando consideravelmente o desempenho da empresa no ano que agora termina. Segundo Benedito Manuel, director-geral de Catoca, apesar de se ter registado uma quebra do preço do diamante na ordem dos 26%, conseguiu-se compensar com o aumento da produção. Além disso, a aposta forte na redução de custos permitiu tornar os processos mais eficientes, desafiando a lei natural do sector que diz que “quanto maior a profundidade da mina, maiores são os custos de produção”. “Em termos de impostos e contribuições, Catoca prevê reverter, a favor do Estado, cerca de USD 130 milhões, um valor ligeiramente acima do exercício de 2018, onde pagamos 129 milhões”, disse.

Contudo, apesar dos resultados positivos, Benedito Manuel destacou a necessidade de uma aposta cada vez maior na qualidade dos processos, para que mais do que uma empresa rentável, seja um agente promotor do desenvolvimento profissional de todos os seus colaboradores, uma postura que deve resultar em competências práticas, conhecimento e atitudes que dêem respostas à missão da empresa.

O 2º Conselho de Direcção Alargado, recorde-se, realizou-se na passada Quintafeira, um evento que contou com a presença de representantes do Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos, membros do Governo da província da Lunda-Sul, direcção-geral da empresa, bem como académicos e convidados.

Localizada na Lunda-Sul, a Sociedade Mineira de Catoca é a quarta maior mina do mundo, explorada a céu aberto, responsável por mais de 75% da produção de diamantes do país. Hoje, com 25 anos de existência, Catoca é a empresa que mais gera empregos no sector privado da província da Lunda-Sul, empregando mais de 5.000 pessoas, directa e indirectamente, um número que poderá subir com o início da exploração noutros projectos, prevista para os próximos anos.

error: Content is protected !!