Amboim com dois rios, mas com escassez de água potável

Amboim com dois rios, mas com escassez de água potável

O fornecimento de água potável à capital do município do Amboim, cidade da Gabela, tem sido um dos grandes problemas. Segundo o administrador Francisco Mateus, a cidade enfrenta sérios problemas porque a estação de tratamento de água é do período colonial e foi dimensionada para cinco mil habitantes, sendo hoje mais de 140 mil moradores

Por:Maria Teixeira enviada à Gabela (cuanza Sul)

Francisco Mateus disse, em entrevista ao jornal OPAÍS, que actualmente a capital do município do Amboim, o próprio casco urbano e a periferia, está com 135 mil habitantes a mais do que o sistema de fornecimento de água é capaz de atender. “Sabem que nós estamos com problemas sérios de água porque a nossa estação de tratamento de água é do período colonial e, então, foi redimensionada para cinco mil habitantes”, disse. O responsável fez saber que urge a necessidade de se instalar um novo sistema de capacitação, que pode ser no rio Keve ou no rio Chio, porque ambos, ao longo dos últimos dois anos, nunca apresentaram indícios de seca.

Programa de emergência em execução

O governante fez saber que para mitigar a situação assinaram um programa de emergência, através do Governo da Província, que está a possibilitar a construção de dois furos de água para apoiar. Deste modo, será possível fornecer até 50 metros cúbicos diários, o que perfaz um total de 100 metros cúbicos e ajudará a reforçar a capacidade actual. “O nosso grande problema é que o riacho que abastece a capital do município só agora é que começou a ter água, fruto das quedas pulverimétricas. Já tivemos situações aqui, em 2015, muito graves.

O nosso abastecimento é à base de cisternas e precisamos de sair dessa situação para garantir que a população tenha acesso à água potável”, disse. Francisco Mateus garantiu que a feitura dos furos só não terminou devido às chuvas, uma vez que o equipamento não pode entrar para áreas onde estão a ser feitos os furos quando o terreno está húmido. “Cada furo com todo o equipamento montado, tubagens e sistema de bombagem está à volta de 25 milhões de kwanzas. É um projecto do Governo da Província”, disse. Por outro lado, garantiu que quanto ao fornecimento de energia eléctrica, a cidade da Gabela está bem servida, devido à implantação na sede de uma subestação de transformação de energia eléctrica, a partir da Barragem de Cambambe. Razão por que considera existirem condições favoráveis para relançar a indústria e outros serviços.