Pequenos guardiões” dos cabos que ligam Angola à Europa e América brindados com festa de Natal

Cerca de 20 representantes da Angola Cables, entre eles colaboradores e administradores, deslocaram- se ontem à Sangano com o objectivo de proporcionar um ambiente de festa a 340 crianças da comunidade

Por:Maria Teixeira

As trezentas e 40 crianças residentes na comunidade de Sangano, em Cabo Ledo, no município da Quiçama, onde está construída a estação de cabos submarinos da Angola Cables, na qual se encontram amarrados cabos que ligam Angola à Europa, à África Ocidental e à América do Sul, beneficiaram, ontem, de uma festa de Natal Solidário. Para a época natalícia deste ano, a empresa desafiou os seus colaboradores e accionistas a assumirem o papel de Pai Natal de cada um dos alunos da Escola Primária de Sangano, com idades compreendidas entre os 5 e os 18 anos, satisfazendo um dos três desejos de cada uma, anunciados por carta. Em entrevista a OPAÍS, o Presidente do Conselho de Administração da Angola Cables, Augusto Mota de Carvalho, explicou que realizam actividades do género todos os anos, não só com o objectivo de manter as crianças alegres, como também de apoiar a comunidade em termos sociais. “Todos os anos apoiamos com água, produtos alimentares e com as condições da escola. Como temos aqui a comunidade dos cabos WACS [Consórcio Sistema de Cabos da África Ocidental], queremos manter a comunidade connosco. Esse é o objectivo fundamental”, disse.

Uma acção que abrange outras localidades

A organização diz que, com esta acção, a Angola Cables concretiza os desejos natalícios das crianças da comunidade do Sangano, em forma de presente, alegrando o seu Natal. Disse ainda ser um trabalho que abrange outras comunidades do país que são eleitas durante o ano para o efeito. “Como estamos aqui, vamos apoiar o desenvolvimento desta área, portanto, as crianças”, frisou.Augusto Mota de Carvalho salientou que um outro objectivo é manter as tartarugas vivas preservando o eco-sistema, para o efeito, contam, há três anos, com o apoio do projecto Kitabanga, afecto à Faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto, que se dedica à preservação desses animais marinhos. Já Luís José, da área de Inteligência e Mercado da Angola Cables, explicou que além da estação que têm nesta localidade e mais do que os seus envolvimentos de negócio, também têm um envolvimento de comunidade. “Aqui no Sangano, como em Fortaleza (Brasil), temos uma questão de proximidade com a comunidade.

O nosso apoio fundamental é com a escola, porque achamos que o conhecimento é extremamente importante”, frisou. Acrescentou de seguida que “todos os anos temos um compromisso de estar presentes aqui no Sangano e, nesta fase, fazemos entrega de lanches, mas fundamentalmente levamos alguma emoção e sorrisos a essas crianças”. A directora da Escola nº 7.022, Eva João, salientou não ser a primeira vez que a sua escola é agraciada com esse de gesto. “A Angola Cables é uma multinacional que sempre nos apoiou, não só com estes bens, mas também com abastecimento de água em cisternas. Por isso, em nome das nossas crianças, agradecemos”, disse.

error: Content is protected !!