Especial: “Macau terá um bom futuro com a integração no desenvolvimento nacional

Especial: “Macau terá um bom futuro com a integração no desenvolvimento nacional

Por He Linping, Diário do Povo

Ao longo dos últimos 20 anos, período que decorre após o retorno de Macau à China, a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) tem registado um crescimento económico, melhoria do bem-estar e a estabilidade social, com o PIB local a saltar dos MOP$50 biliões em 1999 para os MOP$ 440 biliões em 2018, enquanto o PIB per capita amentou dos MOP$ 120 mil para os MOP$ 660 mil durante o mesmo período.

Nas últimas quatro décadas, Hong Kong e Macau participam, activamente, no processo de reforma e abertura, e de modernização nacional, e o desenvolvimento do país também proporciona oportunidades para as duas cidades. Para Lin Wu, director do Instituto dos Estudos sobre o Desenvolvimento de Guangdong, Hong Kong e Macau, Universidade Sun Yat-sen, a adesão activa ao desenvolvimento nacional é a força-motriz de Macau para manter a prosperidade e estabilidade duradouras, enquanto a respeito rigoroso da Constituição e a Lei Básica é a garantia fundamental do Estado de direito de Macau.

O vice-director do Gabinete dos Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado, Deng Zhonghua, atribuiu os “êxitos conquistados por Macau a quatro aspectos: “respeitar e salvaguardar as ordens articuladas pela Constituição e a Lei Básica; manter e desenvolver a tradição da paixão a Macau e à Pátria; seguir o consenso social de desenvolver a economia e melhorar o bem-estar; e consolidar e desenvolver a cultura histórica.”

A professora associada do Departamento de Comunicação da Universidade de Macau, Wu Mei, disse que através de uma pesquisa aleatória, os alunos das escolas primárias e secundárias têm um conhecimento claro sobre a história e cultura da China, com um alto grau de identifi cação nacional e a vontade de se integrar no país. Após o retorno de Macau à China, a RAEM desempenha o seu papel particular de intercâmbio com os países de língua portuguesa, tendo contribuído na construção da iniciativa “Uma faixa, Uma Rota” para o desenvolvimento da Grande Área de Baía de Guangdong, Hong Kong e Macau.