Entre enganos e enganados

Entre enganos e enganados

Eu só quero entender os nossos políticos. Será que os chefes gostam mesmo de ser enganados, ou eles se juntam todos e enganam o povo para o povo pensar que eles estão a ser enganados? Quando um chefe vai a uma localidade encontra tudo bonito, mas ele sabe que quando der as costas volta tudo ao normal feio. Se um governador ou ministro vai a um município encontra as coisas arranjadas, um pouco que seja.

Se o Presidente vai a uma província, até lavam as ruas. Portanto, o governador, ao Presidente faz aquilo que lhe faz o administrador. E se um dia este ministro ou governador se tornar Presidente, ou o administrador se tornar governador, e for “vítima” destes truques, vai querer que o povo pense que eles está a ser enganado?

É que, com esta última saída por Luanda, vi muita gente a apelar ao Presidente porque estava a ser enganado, que as ruas estavam a ser limpas e reparadas um ou dois dias antes, que isto e que aquilo. O Presidente sabe bem ver o que é tinta fresca, sabe muito bem o que se passa e os truques todos, mas sabe também que ainda não há, infelizmente, capacidade, e às vezes vontade, ou competência dos seus colaboradores, para fazer melhor. Mas o Presidente, o chefe, qualquer que seja o nível, deve ser recebido com tudo sujo e esburacado? O dever de deferência diz que não, claro, o chefe sabe disso, todos sabemos.

O problema está nos subordinados nos tentarem fazer crer que estão a enganar o chefe e que não se importam com o povo no resto dos dias, não sabendo eles que quando o povo se zanga, se zanga com eles e com o chefe. E o povo também sabe fi ngir que está a ser enganado.