Arábia Saudita condena ci nco com pena de morte e três a prisão por assassinato do jornalista Khashoggi

Arábia Saudita condena ci nco com pena de morte e três a prisão por assassinato do jornalista Khashoggi

A Procuradoria Pública da Arábia Saudita informou nesta Segunda- feira que cinco pessoas foram condenadas à morte e outras três a penas de prisão pelo assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi em Istambul, em Outubro do ano passado. Khashoggi era residente nos Estados Unidos e crítico do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman. Ele foi visto pela última vez no consulado da Arábia Saudita, em Istambul, em 2 de Outubro de 2018, onde deveria receber documentos antes do seu casamento. O seu corpo foi desmembrado e removido do prédio e os restos mortais não foram encontrados. O assassinato causou uma comoção global, manchando a imagem do príncipe herdeiro.

A CIA e alguns governos ocidentais disseram acreditar que o príncipe Mohammed ordenou tras estações principais de Paris, como a Gare du Nord, que gere o serviço do Eurostar para Londres e Bruxelas, e a Gare de l’Est. “Eu entendo (a greve), mas não estou de acordo com isso, pois acho que todos os franceses estão sendo reféns dessa situação e é difícil para nós entender qual é o objectivo”, disse Damien Dremont, na Gare de L’Este. As duas semanas de paralisações contra a reforma de Macron, que descartaria pensões especiais para muitos servidores públicos e obrigaria os cidadãos a trabalhar até aos 64 anos para receber a reforma integral, vêm transtornando a rede de transportes da França.

Os trabalhadores da indústria petrolífera francesa também devem votar a favor de uma paralisação nas refinarias como parte do protesto o assassinato, mas autoridades sauditas alegam que ele não teve nenhuma implicação no caso. Onze suspeitos sauditas foram julgados pela morte do jornalista num processo sigiloso em Riad. O procurador público saudita Shalaan al-Shalaan, ao ler o veredicto preliminar no julgamento, também disse que Saud al-Qahtani, ex-consultor real saudita de alto perfil, foi investigado, mas não foi acusado e foi libertado.