“Consumir água evita violência na família”

“Consumir água evita violência na família”

A psicóloga Maria da Encarnação Pimenta considera que a tendência das pessoas nos momentos de troca de acusações é extravasarem nas reacções, quando o mais fácil seria manter a calma, ainda que tivessem de guardar as respostas para outra ocasião

Por:Alberto Bambi

Numa altura em que o índice de violência doméstica preocupa a sociedade angolana, ao ponto de o Governo estar a envidar esforços no sentido de encontra soluções, a psicóloga Maria da Encarnação Pimenta foi perentória ao afirmar que um simples respirar fundo pode evitar agressão entre elementos de uma família. “Se, no período anterior à agressão, os indivíduos que se encontram em discussão, principalmente o agressor, parasse para respirar fundo, fechar os olhos por um tempo, ainda que fosse culto, e reconhecessem que acima deles há um Deus poderoso, as confusões dificilmente resultariam em pancadarias”, disse a psicóloga, tendo acrescentado que, logo a seguir aos procedimentos a que se referiu, beber água é outra medida para concluir a primeira fase dessa “terapia”.

Aliás, de acordo com a docente universitária, que recorreu imediatamente aos conhecimentos ligados à área de Psicologia clínica, logo pela manhã, os indivíduos, ao invés de consumirem um copo de água, optam por tomar um caldo, beber uma cerveja ou um refrigerante, normalmente fresco, principalmente se na noite anterior tiverem já consumido bebida alcoólica. “O caldo tem jindungo e sal, isso para não falar do óleo, que, na maior parte das vezes, aparece mesmo emerso no líquido que aparenta ser a parte mais suculenta, e a cerveja tem álcool, o que vai comprometer o funcionamento normal das células sensoriais”, esclareceu a psicóloga, tendo adiantado que, deste modo, fica bastante reduzida a acção dos órgãos de sentido, designadamente os referentes ao tacto, olfacto, audição, visão e paladar.

Já a água, quando consumida pela manhã, transporta o oxigénio de que se compõe para o cérebro, atribuindo a este maiores possibilidade de activar a capacidade da pessoa de pensar, disse a OPAÍS a sua interlocutora, que também não deixou de sublinhar a função do precioso líquido de activar a fluidez do sangue. Segundo explica, se o líquido vermelho do corpo humano flui com a maior naturalidade, evita- se o rebentamento dos capilares, adiando o surgimento de um acidente vascular cerebral, popularmente conhecido pela a sua sigla AVC. Porque lhe preocupam os hábitos alimentares dos cidadãos, nas primeiras horas do dia, Encarnação Pimenta lembrou que, enquanto se dorme, a área motora fica teoricamente desligada, sendo que, no arranque, o aconselhável é o corpo não receber cerveja, caldo e outros componentes de óleo, sal e açúcar.

“Psicologia até na gestão do Natal”

A académica recordou que a psicologia é importante para se abordar qualquer quadrante da vida social, porquanto, quase todos os fenómenos sociais acabam por ter elementos de preocupação psicológica, de situação ou de consciência. “Não há vida social sem necessidade de se consultar um psicólogo”, reforçou a entrevistada, para quem os cidadãos angolanos deviam desapegar-se deste desleixo. Finalmente, Encarnação Pimenta aconselhou as pessoas a cultivarem o espírito de paz e serenidade, pediu que se desse mais valor às dinâmicas naturai, antes de se falar das industriais e de dinheiro, tendo manifestado o desejo de ver um Natal Santificado, sem agressões no seio familiar e na sociedade em geral.