Empresas que se atrasem no pagamento de salários serão punidas

Empresas que se atrasem no pagamento de salários serão punidas

A Inspecção Geral do Trabalho no Bié dá até 31 de Dezembro para as empresas regularizarem as suas dívidas com os trabalhadores. Caso não cumpram, a partir de de 6 de Janeiro sofrerão as consequências

Com ANGOP

Setenta por cento das empresas privadas ligado ao ramo do comércio, indústria, hotelaria, prestações de serviços e construção civil, da província do Bié, ainda têm salários, subsídios de férias e de Natal por pagar aos trabalhadores. A lista incluiu 196 empresas que, segundo o chefe dos serviços da Inspecção Geral do Trabalho (IGT), António Caquarta de Oliveira, têm até ao dia 31 de Dezembro deste ano para pagar os salários, subsídios de férias e de Natal.

Com vista a repor a legalidade, a instituição alertou as empresas para honrarem os compromissos, salientando que, em caso de incumprimento, a IGT, a partir do dia 6 de Janeiro de 2020, vai aplicar multas.

A IGT, este ano, registou 911 infracções laborais, menos mil e 89 em relação a 2018, nos municípios do Cuito, Andulo, Camacupa e Chinguar. A redução deveu- se às campanhas de sensibilização junto das empresas. Segundo o responsável, a instituição continua a necessitar de mais inspectores e meios de trabalho para expandir as actividades aos municípios de Catabola, Cuhinga, Cuemba, Nhârea e Chitembo (Bié). A IGT realizou 212 visitas inspectivas e aplicou 40 multas/autos de notícias. Destas, 15 foram já pagas, arrecadando dois milhões 463 mil 729 kwanzas.

No período em análise, salientou, recebeu 277 pedidos de mediação, dos quais 217 resolvidos, com indemnização de quatro milhões 448 mil 210 kwanzas a favor dos trabalhadores. Enquanto 60 casos não tiveram consenso (empresas/trabalhadores), tendo sido encaminhados ao tribunal local para o procedimento jurídico. Foram notificados, no presente ano, nove acidentes de trabalho