Angola assiste pela primeira vez concerto de música popular instrumental

Angola assiste pela primeira vez concerto de música popular instrumental

ADisco Vinil apresenta a 25 de Janeiro, no Clube Naval de Luanda, o concerto denominado Música Popular Instrumental, que consiste em dar a conhecer ao público os fenómenos e elementos que concorreram para a construção do imaginário cultural. Nok Nogueira, mentor do projecto, referiu que o concerto é o primeiro ensaio de um vasto programa enquadrado no projecto Memória Patrimonial do Cancioneiro Angolano apresentado, ontem, no espaço Chá de Caxinde.Adiantou que dentre os vários objectivos do projecto, o principal é o de documentar a história da Música Popular Angolana através do recurso a registos imagéticos, documentais, orais e musicais.

O espectáctulo terá um carácter solene, tendo como foco os solistas e demais instrumentistas angolanos, pelo legado do conjunto da obra reconhecidamente essencial para a construção e afirmação do semba. “Este primeiro concerto de música instrumental pretende promover uma merecida homenagem a todos os solistas e demais instrumentistas angolanos, conhecidos como exímios artífices da cristalização da música popular urbana angolana”, acrescentou.

Para o concerto, que serve de ferramenta de lançamento do referido projecto, tem-se em vista, segundo o instrumentista Horácio da Mesquita, a exibição de temas que remontam os anos 60, cujo autores ainda estão entre nós. Por sua vez, o instrumentista Raúl Tollingas desafiou os jovens a irem ao concerto de modo a se aproximarem dos mais velhos e a observarem de perto como se executam instrumentos musicais que se encontram em via de desuso.

Já o gestor de comunicação do evento, Ernesto Gouveia, acrescentou que a falta de determinados executantes de instrumentos musicais específicos, obriga, muitas vezes, que se faça recurso a cubanos e a militares do Exército que saibam tocá-los. Para o concerto com a duração de 2 horas, estarão representados na guitarra solo, Boto Trindade, Brando, Teddy Nsingi, Zé Mweleputo e Popshow. Na guitarra ritmo, Zeca Terilene, Dulce Trindade e Gegé, dos Kiezos, ao passo que Joãozinho Morgado, Habana Mayor e Chico Santos estarão na percussão.

No baixo, estarão Carlitos “Calili” e Dulce Trindade, na dikanza Raúl Tollingas, Zé Fininho e Didi da Mãe Preta. Para mostrar as suas mestrias nos bongós ter-se-á Juca Vicente e João Diloba. Na concertina, Horácio da Mesquita.

O elenco artístico do concerto terá ainda nos metais, Luís Massy, Sanguito, Mike Pemba, João Sabalo, nas cornetas o grupo carnavalesco União Operário Kabocomeu, com uma participação especial de Carlitos Vieira Dias, Eduardo Paim, Nanutu, Mário Gomes, Pirika e Matilson Bass.

O projecto

Nok Nogueira explica que o projecto vai ocupar-se essencialmente da sistematização de informações sobre os distintos factos que ajudaram a dar forma àquilo que hoje se conhece como um dos mais apreciados patrimónios artísticos angolanos: o Semba. O projecto consiste em criar obras e produzir eventos que sirvam de veículo de informação e ao mesmo tempo dar a conhecer o essencial sobre a História da Música Popular Urbana Angolana, sobre os primeiros 50 anos de formulação estética do Semba. Vale ressaltar que para a concepção desse projecto foi necessário o apoio de algumas instituições como a SONANGOL, a CATOCA, o banco ATLANTICO, a Prometeus, a UNAC, a União Europeia em Angola, dentre várias outras.