Falta de verbas condiciona vinda de fundistas estrangeiros

Falta de verbas condiciona vinda de fundistas estrangeiros

A São Silvestre, corridade fi m de ano que a cidade de Luanda acolhe no dia 31 de Dezembro, arrisca-se a ser nacional por falta de verbas para a premiação de fundistas estrangeiros. Segundo uma fonte da Federação Angolana de Atletismo (FAA), o risco de não se conseguir os valores continua a crescer e o tempo passa. O valor para a premiação está orçado em 16 mil dólares norteamericanos, mas, está difícil encontrar um patrocinador. Dez países já confirmaram presença na prova, mas estão condicionados, porque não se sabe como irão concorrer. A organização adiantou que foi feita reserva para os fundistas estrangeiros numa das unidades hoteleiras de Luanda.

Em 2017, por falta de verbas, a São Silvestre foi realizada somente com atletas angolanos e alguns estrangeiros não federados. Nesse ano, os atletas do Interclube bateram a concorrência dos colegas do Petro de Luanda e do 1º de Agosto. Francisco Caluvi, com o tempo de 31:25, venceu a festa do atletismo das ruas de Luanda sem muitos sobressaltos. Alexandre João do 1º de Agosto, foi o segundo classifi cado, fi cando a 13 segundos do vencedor.

Em femininos, o primeiro lugar coube a Adelaide João, também do Interclube. A atleta cortou a meta fazendo 37 minutos e três segundos. Duvilia Leonardo, da Selecção Provincial da Huíla, ocupou a segunda posição com o tempo de 39 minutos e 47 segundos.