INADEC destaca equipas de serviço nos mercados informais

INADEC destaca equipas de serviço nos mercados informais

Anta Webba afirmou à imprensa, à margem de uma campanha de sensibilização sobre higiene, saúde e segurança alimentar que a sua instituição realizou no mercado Asa Branca, que as condições existentes no local, sobretudo as questões ligadas a conservação dos produtos perecíveis, ainda não são as desejadas.

Neste sentido, orientou que se melhor e anunciou que a partir da próxima semana equipas multissectoriais vão trabalhar nos mercados informais. As equipas vão trabalhar em cinco mercados principais de Luanda, com o objectivo de garantir a saúde dos consumidores. Segundo Anta Webba, o INADEC criou um plano de organização cuja concretização prevê a inclusão de trabalhadores das administrações dos mercados, pelo que fizeram o cadastramento dos que estão destacados nos cinco principais mercados da capital do país acima mencionados.

Declarou ser um trabalho de continuidade que a instituição tem exercido por todo o país. Anta Webba explicou que a segurança alimentar representa uma preocupação do Estado, pelo que várias equipas estão distribuídas nos mercados informais para dotar os vendedores do conhecimento necessário, no sentido de aplicar as boas práticas, tais como o controlo do produto desde a produção, comercialização, preparação, confecção e distribuição. Para consciencializar os comerciantes sobre a necessidade de limpeza dos locais, foram fixados alguns placares contendo conselhos úteis sobre como efectuar a limpeza do espaço onde trabalham, antes e depois de iniciar as vendas, bem como usar sempre câmaras frigoríficas de congelação para conservação do peixe e da carne.

A outra recomendação foi no sentido de não misturarem peixe e carne na mesma bancada, no sentido de evitar a contaminação cruzada e causar intoxicação alimentar que, em alguns casos, pode terminar em morte. Não comercializar os alimentos expostos ao sol, não usar petróleo ou outro produto inflamável para higienizar as bancadas.

Conservação dos produtos assegurada O administrador do mercado do Asa Branca, Cláudio Couceiro, afirmou que existem 80 câmaras frigoríficas para conservar produtos perecíveis, mas, sem precisar números, contou que nem todas funcionam em pleno, e, em função da real situação, apela aos cidadãos que têm câmara e as pretendem alugar a dirigiremse aos seus serviços.

Apesar de contar com uma quantidade indefinida de câmaras que não funcionam, Cláudio Couceiro disse que a situação está controlada e que existe uma “brigada” no mercado para aferir o nível de procura e oferta. Já Teresa Agostinho Gaspar, vendedora, disse que as condições do mercado melhoraram muito, assegurando que a higiene deixou de representar uma preocupação, uma vez que todos os dias é feita a limpeza ao recinto em que comercializam, embora exista um dia reservado, semanalmente, para a limpeza geral. “O fornecimento da luz eléctrica também melhorou muito.

O peixe que vendo está na câmara três dias e continua muito bem conservado”, afirmou. Isabel Henrique Ferreira também comunga da ideia da sua colega Teresa, afirmando que o pessoal responsável pela limpeza tem cumprindo a sua tarefa na íntegra. Quanto à conservação dos produtos, disse que o mercado do Asa Branca é o único que tem boas condições. Para o efeito, contribuem diariamente com 100 Kwanzas.