Processo de repatriamento voluntário de refugiados da RDC encerra em Janeiro

Processo de repatriamento voluntário de refugiados da  RDC encerra em Janeiro

A informação foi avançada a OPAÍS pela oficial das relações exteriores do ACNUR, Juliana Ghazi, informando que o repatriamento voluntário de refugiados foi suspenso devido às festividades, e será retomado em Janeiro de 2020. A oficial fez saber que o ACNUR pretende concluir o processo de repatriamento na primeira quinzena de Janeiro e prevê repatriar os cerca de mil e 700 refugiados que ainda querem regressar à República Democrática do Congo (RDC). “Até ao momento, todos aqueles refugiados que queriam regressar, foram repatriados com segurança para as suas zonas de origem”, afirmou Juliana Ghazi, cujo trabalho foi desenvolvido com o apoio dos parceiros do ACNUR.

Situação dos refugiados em Angola

Sobre esta matéria, a responsável considerou como “normal” a situação dos refugiados em Angola, apesar de deplorar algumas dificuldades que os mesmos enfrentam nas zonas urbanas, no que concerne ao acesso aos serviços sociais, por falta de documentação. Sublinhou que, por não terem documentos renovados, muitos têm dificuldades no acesso aos serviços sociais como a saúde e a educação, garantindo que para o próximo ano o ACNUR tem um projecto, em parceria com o Serviço de Migração e Estrangeiros (SME), que visa melhorar a qualidade da vida dos refugiados em Angola.

“Trata-se de um projecto que vamos colocar em prática no próximo ano, onde vamos trabalhar com o SME na renovação de documentos dos refugiados para que tenham acesso a todos os seus direitos”, avançou.
Contributo do Governo da Alemanha Em comunicado enviado a este jornal, o ACNUR refere que o Governo da República Federativa da Alemanha aumentou a sua contribuição voluntária de 18 milhões de euros, para apoiar os refugiados da RDC assentados no campo de Lóvua, na província da Lunda-Norte.

Trata-se de uma contribuição voluntária adicional para novos fundos, cujo pedido foi apresentado na proposta denominada “Prestando Assistência e Protecção às Pessoas de Interesse do ACNUR Afectadas pela Situação na República Democrática do Congo”, submetida a 14 de Outubro de 2019.

Por intermédio desta contribuição, segundo a nota, a Alemanha oferece suporte à resposta do ACNUR em termos de protecção aos refugiados através de três objectivos estratégicos principais. Tratase de acesso a território e protecção, resposta a necessidades imediatas de refugiados e deslocados internos, construção de parcerias para inclusão e soluções. O período de implementação da contribuição acima citada vai de 01 de Janeiro de 2019 até 31 de Dezembro de 2021.