Emirados Árabes podem ser palco de catástrofe nuclear, segundo especialista

Emirados Árabes podem ser palco de catástrofe nuclear, segundo especialista

Paul dorfman, ex-assessor em assuntos nucleares do governo britânico, disse que o programa nuclear dos Emirados Árabes pode se tornar alvo de terroristas e provocar uma catástrofe nuclear

Ainda em 2009, em acordo com a empresa sul-coreana Korea Electric Power Corporation, o governo dos Emirados Árabes deu início à construção da instalação de Barakah, uma das quatro centrais nucleares planeadas no país. Contudo, segundo o portal The Telegraph, as instalações nucleares poderiam tornar-se o centro de uma catástrofe semelhante à de Chernobyl, segundo Paul Dorfman, presidente da empresa especializada em consultoria Nuclear Consulting Group e ex-assessor em assuntos nucleares do governo do Reino Unido.

Apesar de o governo árabe afirmar estar “comprometido com os maiores padrões de segurança nuclear e não proliferação”, Dorfman acredita que a central nuclear carece de condições de segurança essenciais. Para ele, Barakah, que deverá ter a sua construção concluída em 2020, pode tornar-se alvo de ataques terroristas no Golfo Pérsico. A ideia é refutada pelo governo dos Emirados Árabes, que acredita que os seus sistemas de defesa anti-aérea seriam capazes de proteger as instalações. Contudo, o movimento iemenita houthi já disse ter logrado atacar a central ainda em 2017, facto não reconhecido pelos Emirados Árabes, segundo a mídia. Para Dorfman, o país árabe teria problemas de interceptar um ataque a tempo. Ainda de acordo com a mídia o ataque perpetrado contra as instalações da Saudi Aramco, que mostrou a ineficácia dos sistemas de defesa anti-aéreos da Arábia Saudita, seria uma prova da insegurança das instalações nucleares.

Corrida nuclear

O especialista também acredita que as instalações dos Emirados Árabes poderiam esconder segundas intenções do país. “A motivação de construir isso [armas nucleares] pode estar escondida […] Eles [os Emirados Árabes] estão a considerar seriamente a proliferação nuclear”, declarou o especialista. A central, que será a primeira central nuclear da península Arábica, já se tornou fonte de suspeitas de que o país se prepara para uma corrida nuclear com o Irão, segundo o The Telegraph.