Governador busca soluções para mitigar efeitos da chuva

Governador busca soluções para mitigar efeitos da chuva

Depois do balanço da última chuva em Luanda, os trabalhos realizados pelo governante inseriramse na necessidade de se continuar a motivar as equipas que estão engajadas no sector da limpeza, bem como no “reperfilamento” das valas de drenagem e no desassoreamento. o governador iniciou a jornada às 7 horas, na bacia de retenção do Talatona, perto do condomínio la
guna, passou pela ilha do Mussulo, onde deixou orientações aos administradores municipais de Talatona e Belas, para que façam mais atenção aos pontos de estrangulamento, identificados na última chuva.

“Onde há imóveis ou paredes de terrenos ociosos, mesmo que tenham direito de superfície, se estiverem na linha do percurso das águas que contribuem para as inundações, temos de negociar, sensibilizar os proprietários e demolir. ver o sofrimento das famílias, perda de bens materiais e colocar em perigo a vida dos cidadãos, sem nada fazer, é errado” disse o governador. Depois do Mussulo, a comitiva seguiu para o Zango, em viana, na zona da Frescura, no Sambizanga, e terminou a jornada na rua olímpio Macueria. relativamente ao balanço provisório da chuva que caiu Sábado, os dados apontavam para uma vítima mortal, uma criança de 7 anos, arrastada pela corrente da água, em viana, e 208 residências ficaram inundadas, bem como 250 famílias desalojadas. Sérgio luther rescova Joaquim reuniu-se, no Domingo, com os administradores municipais e transmitiu a importância de se identificar com alguma urgência as questões críticas, para que sejam gradualmente solucionadas.

O dirigente disse ainda que não é difícil perceber que a mitigação dos efeitos da chuva de Sábado deveu-se ao trabalho de antecipação, limpeza, reperfilamento, desassoreamento das valas, bem como à proibição de construções em zonas de risco e nas linhas das águas. entretanto, no município do icolo e Bengo, a chuva torrencial que se registou em todo o território da localidade e começou na madrugada do dia 4 de Janeiro, até às 16 horas, causou vários danos, tais como o agravamento e aumento da degradação da faixa de saída da centralidade 44, e a situação pode vir a piorar se voltar a chover nos próximos dias, comprometendo na totalidade a circulação naquela zona. no distrito urbano do Bom Jesus, registou-se a ruptura da tubagem de água no bairro ii e queda de dois postes de pau na localidade do lucumbi, em Caculo Canhango. as vias de acesso ficaram intransitáveis e as lavras inundadas. em Catete, quatro casas desabitadas desabaram.