campanha de BI para crianças arranca com enchentes nas repartições

campanha de BI para crianças arranca com enchentes nas repartições

A campanha denominada “Quarta dos Kandengues” lançada na passada Quinta-feira pelo Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, consiste na emissão exclusiva de Bilhetes de Identidade de crianças, dos seis aos dezassete anos de idade. Numa ronda efectuada, ontem, em diferentes Repartições municipais de Identificação na capital, OPAÍS constatou a grande afluência de pais e encarregados de educação acompanhados dos seus filhos, com o propósito de tratarem pela primeira vez o Bilhete de Identidade.

Na Repartição de Identificação da Maianga, situada no bairro Cassenda, a enchente era visível logo nas primeiras horas do dia. A jovem Júlia Raul, que levou os seus dois irmãos, de catorze e dezassete anos de idade, disse que chegaram muito cedo e já havia lá uma enchente enorme. Apesar de considerar o atendimento muito lento, louvou a iniciativa do Ministério da Justiça, alegando que desta forma as crianças começam a adquirir o Bilhete de Identidade muito mais cedo, evitando constrangimentos na fase das matrículas.

“Há quem chegou aqui às cinco horas da manhã. Tratando-se de crianças que acordaram muito cedo, muitas delas não tomaram o pequeno-almoço, mas terão que passar aqui o dia porque ainda não foram atendidas, e há a probabilidade de não serem atendidas hoje”, disse. Xavier Maneco é pai que se fez presente naquela Repartição desde as cinco horas da manhã, acompanhado da sua filha de catorze anos de idade, lamentou o facto de existir um único posto de emissão naquela circunscrição para atender a tão grande demanda.

“O Ministério da Justiça podia engajar-se mais nesse sentido, porque há ainda muitas crianças sem registo. Em vez de ter um único posto de emissão, podiam montar mais postos, as brigadas móveis, por exemplo, porque quando se trata de campanha tem que ser mais abrangente”, apelou. Na Repartição de Identificação da Maianga, no bairro do Prenda, o cenário não era diferente. O primeiro dia do atendimento exclusivo para crianças também foi marcado por enchentes. O chefe daquela Repartição, Renato Aires, disse, em entrevista a OPAÍS que, no âmbito dessa campanha, o atendimento começou às oito horas da manhã, tendo registado antes do meio-dia o atendimento de mais de oitenta crianças.

O responsável explicou que a lentidão no atendimento se deve ao facto de se tratar da primeira emissão, que exige, da parte dos funcionários, maior atenção, para não se emitir Bilhetes com erros. No caso das crianças que não sabem ainda assinar o seu nome, Renato Aires esclareceu que a aplicação em uso na Repartição está formatada para colmatar essa situação. “Mesmo que a criança não saiba ainda assinar o seu nome, a aplicação está preparada para fazer a emissão do Bilhete. Hoje, as crianças só estão a fazer a emissão, quarenta e oito horas depois virão para levantar o seu Bilhete. Depois dessas quarenta e oito horas o individuo recebe uma mensagem a informar que o B.I. já está disponível aqui no posto”, disse. Avançou que, para essa campanha, as crianças devem, necessariamente, fazer-se acompanhar do acento de nascimento original e juntar a cópia do B.I do pai ou da mãe.

“Estamos a apelar para que os pais e encarregados de educação tragam as crianças porque os postos estão abertos, o nosso objectivo é emitir. Se emitirmos hoje os bilhetes para as crianças, estamos a garantir que no futuro teremos adolescentes e adultos com Bilhete de Identidade”, acrescentou. Estevão Monunga, chefe interino da Repartição de Identificação da Samba, disse que o primeiro dia também registou muita afluência de pais acompanhados dos seus filhos. Até ao meio-dia a Repartição tinha atendido cerca de 120 crianças.

“O atendimento está a correr com normalidade. A afluência nessa fase é maior, atendendo a fase das matrículas nas escolas, os pais precisam desses documentos”, disse. A referida campanha decorrerá nos meses de Janeiro, Fevereiro e Março, períodos de grande procura nos postos de identificação civil e criminal por causa do início das matrículas escolares. O atendimento ao público nos dias normais de expediente manter-se-á, podendo os pais e encarregados de educação levar os seus educandos em qualquer dia da semana, no período das oito às 15h30. As Quartas-feiras passarão a ser para atendimento exclusivo às crianças.