Comandante da Polícia Nacional em Malanje mostra desempenho dos efectivos durante a quadra festiva

Comandante da Polícia Nacional em Malanje mostra desempenho dos efectivos durante a quadra festiva

Miguel José em Malanje

O oficial comissário, que falava para os efectivos dos órgãos operativos do MININT e da PN na primeira parada-geral do ano emergente, disse que, apesar de a província de Malanje conhecer um aumento de mais 10 crimes, comparativamente ao período homólogo do ano de 2018, os efectivos conseguiram conter a criminalidade violenta, bem como os crimes contra a propriedade em toda a extensão da província.

António Bernardo expôs que o segredo do êxito da estratégia de asseguramento, do período em referência, consistiu no lançamento dos efectivos das diversas especialidades dos diferentes órgãos do MININT e da PN, que permaneceram nas ruas 24 horas por dia, para manter a ordem e a tranquilidade públicas. Também considerou vital o comportamento dos cidadãos que colaboraram com as forças da ordem, na denúncia de acções criminosas, o que, de certo modo, permitiu o esclarecimento de vários crimes na província. “Nós assistimos em Malanje ao crescimento de uma consciência interactiva entre a população e as forças da ordem”, enalteceu.

Crimes Segundo o mandatário local do MININT e da PN, se por um lado registou-se a diminuição de crimes contra a propriedade; por outro lado os crimes contra as pessoas conheceu um crescimento, sobretudo, nos crimes de agressões físicas, geralmente ocorridos no seio de grupos de jovens com idades compreendidas entre os 16 e os 21 anos. Mencionou que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e o recurso a armas brancas deram azos aos crimes praticados durante o período de festas. Ora, das ocorrências que deram entrada no Hospital Regional de Malanje (HRM), constou o registo de 116 agressões físicas, das quais 70 foram com o uso de armas brancas, resultando em alguns casos de óbito.

Desafios para 2020

O mais alto dirigente da corporação em Malanje disse que neste ano de 2020 os órgãos do MININT têm de trabalhar mais próximos das populações e das fontes, no sentido de produzirem informações para, em tempo útil, inibir a actividade delituosa e, também, a violenta. Disse que a corporação estará pronta para impedir que pequenos grupos de pessoas perversas ameacem a tranquilidade de milhares de cidadãos de bem.

De igual modo, prontifi ca-se a colaborar com os órgãos da Administração do Estado no ordenamento urbano, em contraposição ao crescimento vertiginoso de bairros desordenados, com o sentido de facilitar o trabalho de investigação, reconhecimento dos cidadãos e da organização administrativa das coisas. António Bernardo apelou, no entanto, aos seus colaboradores imediatos dos comandos municipais da PN e Direcção Provincial da Ordem Pública (DPOP) e outros órgãos locais sob tutela do MININT, a serem activos e interventivos na organização funcional das circunscrições administrativas, com o intuito de facilitar o desempenho da actividade policial.

“Quantos mais bairros desordenados tivermos, maior será também a probabilidade de haver grupos delinquentes e pessoas mais facilmente permeáveis para cometimento de crimes”, sublinhou. Para o delegado do MININT e comandante da PN, no território de Malanje, 2020 acarreta grandes desafi os, tendo em atenção a realização das eleições autárquicas em Angola. Para tanto, exige maior preparação e prontidão das forças do Ministério do Interior para que estejam prontas a corresponder à medida do repto.

Desde logo, o comissário António Bernardo referiu a necessidade da criação das condições para que os efectivos dos órgãos do MININT estejam preparados para assegurarem, afi ncadamente, a manutenção da ordem e tranquilidade públicas. “Temos de ser partícipes para que a democracia vingue no nosso país”, concluiu .