Estado mais afectado por incêndios na Austrália responsabiliza 183 pessoas desde Novembro; 21% são crianças e adolescentes

Estado mais afectado por incêndios na Austrália responsabiliza 183 pessoas desde Novembro; 21% são crianças e adolescentes

OGlobo

O Estado de Nova Gales do Sul, na Austrália, advertiu e/ou indiciou desde Novembro 183 pessoas por começarem incêndios florestais. Desses, 40 são crianças e adolescentes. O Estado é responsável por mais da metade das terras destruídas pelas queimadas desta temporada em todo o país.

A pedido do G1, a Polícia de Nova Gales do Sul informou que as acções contra os advertidos e/ indiciados vão de “advertências a acusações criminais relacionadas a 205 crimes de incêndio florestal”, sendo que: 24 foram indiciadas por incêndios florestais intencionais; 53 respondem acções por não cumprirem a chamada “proibição total de incêndio”, lei australiana que proíbe fogueiras e demais actividades que possam causar incêndios durante a temporada das queimadas; 47 foram indiciadas por iniciarem um incêndio florestal após descartar bituca (beatas) de cigarro ou fósforo no chão.

Desde 2016, crianças e adolescentes têm sido a maioria dos investigados como possíveis causadores dos incêndios florestais no Estado. O período com maior taxa de menores de idade envolvidos nos casos foi entre Outubro de 2017 a Setembro de 2018, quando 69% dos investigados foram crianças e adolescentes. 2016 a 2017, 44 dos 70 investigados por causarem incêndio florestal no Estado eram crianças e adolescentes. 2017 e 2018, 58 dos 83 investigados eram crianças e adolescentes. 2018 e 2019, 37 dos 56 investigados eram crianças e adolescentes.

 Estado devastado

Dos 26 casos de pessoas mortas em consequência dos incêndios em toda a Austrália, 18 ocorreram em Nova Gales do Sul. Dos mais de 8 milhões de hectares destruídos em todo o país, cerca de 5 milhões são de terras do Estado. Além disso, 24 mil pessoas foram afectadas por problemas na rede elétrica da região.

Os principais “gatilhos” dos incêndios

Uma bituca (beata) de cigarro foi responsável por iniciar um incêndio devastador em Novembro, em Binna Burra, no Sudeste de Queensland. Um incêndio no interior do país teria começado depois de exercícios de tiro ao alvo no quartel de Kokoda, também em Novembro, segundo um porta-voz da Força de Defesa Australiana. Os comboios são considerados uma fonte comum de incêndios florestais na Austrália. A falha dos travões dos veículos pode lançar faíscas que, em contacto com a vegetação seca ao redor dos trilhos, pode iniciar queimadas. Segundo a Polícia de Sunshine Coast, vários incêndios começaram na região em Setembro devido a faíscas lançadas por cortadores de relva. Raios: Relâmpagos provocaram vários incêndios em 2015, que mataram quatro pessoas.

Este ano, acredita-se que os raios sejam a fonte de alguns dos incêndios que atingiram Queensland e Nova Gales do Sul. Outros possíveis gatilhos: fogueiras de acampamentos, queima de lixo e queimadas para limpar terrenos. A Austrália vive um dos piores incêndios florestais dos últimos anos, desde Setembro de 2019. O fenômeno é causado pela combinação de temperaturas superiores a 40º C e uma quantidade insuficiente de chuva, que deixam a vegetação extremamente seca. Este cenário, somado a qualquer faísca – que pode vir de acções humanas ou causas naturais – desperta o fogo.