irão ataca tropas dos EUA no Iraque para vingar morte de general; trump avalia reacção

irão ataca tropas dos EUA no Iraque para vingar morte de general; trump avalia reacção

Forças iranianas lançaram mísseis contra bases militares que abrigam forças norte-americanas no Iraque nesta Quarta-feira, em retaliação ao assassinato de um comandante iraniano pelos Estados Unidos e aumentando o conflito com os EUA em meio a temores de uma guerra mais ampla no Oriente Médio.

Em discurso a um grupo de iranianos que bradavam “Morte à América”, o líder supremo do Irão, aiatolá Ali Khamenei, disse que os ataques foram “uma chapada na cara” dos EUA e que as tropas norte-americanas deveriam deixar a região.

O ministro das Relações Exteriores do Irão, Mohammad Javad Zarif, disse que o país adoptou “medidas proporcionais” de legítima defesa e que os ataques “concluíram” a reacção de Teerão ao assassinato do general Qassem Soleimani, mas que a sua nação não quer agravar o confronto. O próximo gesto parece caber a Washington.

O presidente dos EUA, Donald Trump, que ordenou o ataque de drone que matou Soleimani em Bagdad na última Sexta-feira, deu uma resposta inicial no Twitter: “Está tudo bem!”. As vítimas e os danos dos ataques com mísseis estão a ser avaliados, e Trump disse que fará uma declaração nesta quarta- feira. Trump, que teve um impeachment aprovado na Câmara dos Deputados no mês passado e agora enfrenta um julgamento no Senado antes da eleição deste ano, ameaçou no final de semana atacar 52 instalações iranianas se o Irão retaliasse o assassinato de Soleimani.

A televisão estatal disse que o Irão lançou 15 mísseis balísticos do seu território contra alvos norte-americanos no vizinho Iraque. Os alvos foram a base aérea de Al-Asad e uma instalação de Erbil, disse o Pentágono. Uma fonte disse que os primeiros indícios não apontam baixas norte-americanas, e outras autoridades dos EUA não quiseram comentar.

A televisão iraniana disse que 80 “terroristas americanos” foram mortos e que helicópteros e equipamento militar dos EUA foram danificados, sem fornecer provas de como obteve a informação.

Alemanha, Dinamarca, Noruega e Polónia disseram que nenhum dos seus soldados no Iraque foi ferido. O Reino Unido, que também tem pessoal em solo iraquiano, repudiou a acção iraniana. Já o Iraque disse que as suas forças não sofreram baixas