Nova Família de Kwanzas pode entrar em circulação no 1º trimestre

Nova Família de Kwanzas pode entrar em circulação no 1º trimestre

José de Lima Massano, sem quantificar o volume de cédulas a emitir neste primeira fase, afirma trabalhar com agregados familiares e a massa monetária, com base nas necessidades da economia . Só este ano de 2020, o volume de notas a ser posto em circulação está avaliado em 30 milhões de dólares, a julgar pelo ritmo de disponibilização, desde o momento da aprovação da Lei.

“As notas em circulação com o uso vão estando degradadas e daí que nós retiramos elas, ainda que da mesma família”, precisou Massano, para quem as notas hoje em circulação tem um tempo de vida de apenas dois anos, estando por isso que a ser feita a substituição. “Estamos a mudar o substrato da nossa nota. Temos hoje a nota de papel e passaremos a ter o chamado polímero (plástico) com um tempo de vida 4 vezes superior ao papel. Aquilo que gastávamos em dois anos, passaremos a gastar, em média, em 4 anos.

Quanto às empresas que poderão produzir as notas, informou serem três, designadamente a Crane Currency (EUA), Giesike (Alemã) e Goznak (Russa), por via de um caderno de encargos, realizado em princípio de 2019, onde foram colocadas em evidência as capacidades técnicas, referência internacional, e os países para os quais já produziram notas. A nova família de kwanzas com notas de valor facial de 200, 500, 1000, 2000, 5000 e 10 000 Kzs, segundo o Governo, estão inseridas nos objectivos de médio e longo prazos do contexto do Programa de Desenvolvimento Nacional, com vista a estabilidade macro-económica oferecendo um ambiente de negócio transparente, seguro e credível. “Vamos melhorar e reforçar o sistema nacional de pagamentos, a credibilidade da moeda nacional e, consequentemente, a existência de um sistema financeiro estável e credível”, concluiu José de Lima Massano