Direcção da Cultura preocupada com “dossier” dos grupos carnavalescos

Em contagem regressiva para a edição 2020 do Carnaval de luanda, a direcção do gabinete provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, manifesta-se preocupada com alguns grupos carnavalescos por não terem ainda entregue a documentação exigida para os trabalhos preliminares

O responsável do pelouro na cidade capital, Manuel Gonçalves, apela aos grupos carnavalescos a procederem à entrega da documentação que contém o perfil dos grupos, a canção e o enredo, de modo a que, atempadamente, se possa trabalhar nas questões preliminares. “Estas questões a que nos referimos têm que ver com a divulgação das canções através dos medias áudio-visuais, o históricos do grupos, com as descrições do comandante, rei, rainha, do enredo, entre outros, para a produção da revista do Carnaval”, apelou. Manuel Gonçalves exorta os grupos a fazerem cada um faça a sua parte, buscando soluções locais, para a dinamização e divulgação do Carnaval como uma festa popular que deve ser trabalhada não a um mês da apresentação oficial.

“Os grupos têm de perceber a importância de se fazerem as coisas o mais cedo possível. E isso faz com que se inviabilize determinadas acções para beneficiar o Carnaval. Estamos a solicitar alguns patrocinadores para se ter uma ideia, mas tudo depende daquilo que os próprios grupos trazem”, salientou.

O responsável explicou que se a maior parte dos grupos cumprisse com a sua parte, por exemplo, nessa altura além da responsabilidade dos subsídios do Estado, uma cadeia manifestou-se interessada em divulgar as canções do Carnaval e, consequentemente, premiar a mais popular. “Perdemos uma grande oportunidade, pois se tivéssemos todas as canções prontas e gravadas, por sinal a custo zero, teríamos nos próximos tempos conhecido por via desta televisão a canção mais popular, cujas receitas reverteriam a favor dos grupos e já ajudaria na preparação”, desabafou.

Manuel Gonçalves lembrou que estava prevista a entrega das canções a 15 de Dezembro, este timing não foi cumprido por alguns grupos o que dificulta a divulgação preliminar das mesmas. Nessa altura, o tempo estendeu-se até amanhã 15 de Janeiro, para entrega do dossier completo dos grupos.

Subsídios do Estado

Por outro lado, Manuel Gonçalves reconhece que estão em falta os subsídios de apoio aos grupos por parte do Estado, mas é um valor que embora chegue tarde é uma garantia, apesar de que não seja a única via para que os grupos se capitalizem. “De facto, estamos ainda em falta do subsídio, mas garantidamente serão entregues. Estamos (o país) numa fase difícil, economicamente, pelo que pedimos paciência aos grupos, e que possam buscar soluções locais de modo a tornar o Carnaval dinâmico e atraente”. Quanto ao valor a ser entregue pelo Estado, representado pelo Governo Provincial de Luanda, Manuel Gonçalves esclareceu que ainda não está definido, só saberão quando estiver em mãos, mas lembrou que o montante do ano passado para a classe foi de um milhão e 500 mil Kwanzas, e para esta edição deverá a mesma ou aproximada quantia.

Desfile central O acto central do Carnaval de Luanda acontece a 25 de Fevereiro e desfilam por essa ordem, na Marginal da Praia do Bispo: União Kiela, União 10 de Dezembro, União Jovens da Cacimba, União Recreativo do Kilamba, União 17 de Setembro, União Operário Kabocomeu, União Kazukuta do Sambizanga, União Domant, União Mundo da Ilha, Amazonas do Prenda, União Café de Angola, União Njinga a Mbande e o União 54, seguidos dos blocos de animação.

error: Content is protected !!