ICIJ publica “vazamentos” sobre império de isabel dos santos

o consórcio de jornalistas ICIJ lançou ontem, em vários jornais e televisões pelo mundo, acusações e suspeitas sobre a origem da fortuna da empresária Isabel dos Santos. Fala-se de 715 mil ficheiros alegadamente “obtidos pela Plataforma de Protecção de Denunciantes na África e compartilhada com o CIJI”, refere a BBC

Cento e 20 jornalistas, de acordo com informações postas a circular pelo consórcio, dizem ter analisado as várias ramificações de um conglomerado empresarial que atribuem à empresária angolana, que detém, entre outras empresas no país, a Unitel, os bancos BFA e BIC, a Sodiba, Candando e outras. Em Portugal, a empresária investiu igualmente no sector bancário e no das telecomunicações. No seu próprio site, o consórcio ICIJ escreve: da colonização à cleptocracia- A História de Angola. Segundo eles, “a explicação mostra a forma como uma mulher tida como a rosa dividiu um país entre a guerra, a riqueza e os recursos naturais”. Já o francês Le Monde diz que Isabel dos Santos é “a mulher mais rica de África com dinheiro de Angola”. Lê-se ainda nesta publicação, intitulada “Luanda Leaks”:

Explore a galáxia dos negócios da bilionária Isabel dos Santos. As Fugas de Luanda dão uma visão sem precedentes do emaranhamento das empresas criadas pela angolana Isabel dos Santos para construir o seu império industrial e bancário, muitas vezes em jurisdições opacas e eficientes em termos fiscais”. O Público de Portugal, que buscou informações no Expresso, um dos integrantes do consórcio, noticia que “entre Maio e Novembro de 2017, estava Isabel dos Santos no ultimo terço do seu mandato à frente da petrolífera estatal angolana, a Sonangol, quando a empresa transferiu, pelo menos, 115 milhões de dólares de fundos públicos para a conta de uma empresa off-shore no Dubai”.

O inglês The Guardian revela, segundo a publicaçãom que “os complexos esquemas financeiros que ajudaram a mulher mais rica de África a acumular uma fortuna a um custo vasto para o Estado angolano podem ser revelados pela primeira vez após um enorme vazamento de documentos confidenciais do seu império empresarial”. Respondendo à investigação de vazamentos de Luanda, Isabel dos Santos e o seu marido, Sindika Dokolo, negaram todas as alegações de irregularidades. “As notícias do ICIJ baseiam-se em muitos documentos falsos e falsa informação, é um ataque político coordenado em coordenação com o Governo Angolano. 715 mil documentos lidos? Quem acredita nisso?”, afirmou a empresária na sua conta na rede social Twitter, tendo adicionado “#icij #mentiras”.

Isabel volta a falar em perseguição
Em entrevista à BBC Africa e numa carta de seus advogados, Isabel dos Santos, citada pelo The Guardian, negou a sugestão de que ela deve o seu sucesso empresarial ao apoio do pai e disse que as acusações de corrupção foram destinadas a manchar sua reputação. “É óbvio que o nosso cliente é objecto de um ataque altamente coordenado tanto à sua reputação como aos seus negócios, um ataque que se origina das autoridades angolanas”, responderam os advogados à publicação inglesa.

Isabel disse igualmente à BBC que os seus acusadores no Governo angolano a perseguiam como parte de uma “caça às bruxas” destinada a desacreditá-la e ao seu pai, dizendo que ela era uma empresária privada que tinha desenvolvido as suas participações ao longo de 20 anos. “Você não me vai dizer que as pessoas foram e compraram a caixa para assistir televisão por satélite porque o meu pai é o Presidente. Isso é totalmente bobagem”, explicou a empresária. Dos Santos disse que em 2015 era amplamente conhecido que a Sonangol estava perto da falência, com USD 20 biliões (mil milhões) de dívida e um colapso no preço do petróleo.

O Governo, portanto, estabeleceu uma comissão para reestruturar o sector petrolífero do país, que convidou a sua empresa Wise Intelligence Solutions para gerenciar o projecto. Dos Santos disse que, apesar de inicialmente se recusar várias vezes, ela posteriormente aceitou um convite para presidir a Sonangol para a reestruturação. O conselho de administração da petrolífera aprovou então a transferência do contrato da Wise para a empresa do Dubai Ironsea Consulting, mais tarde renomeada Matter Business Solutions, “uma empresa de consultoria com capacidades e conhecimento saqueados do mercado angolano”.

Dos Santos disse que nem ela nem o marido eram donos da Matter, e que ela não votou nessa decisão para evitar
qualquer conflito de interesses. Ela disse que os custos de consultoria para o projeto de reestruturação foram de USD 115 milhões, acrescentando que este foi muito menor do que os custos de consultoria incorridos pelos seus antecessores. Em resposta a perguntas sobre a série de facturas resolvidas nos últimos dias da sua liderança, os seus advogados disseram que, em Junho de 2017, um grande projecto de lei de consultoria instável tinha-se acumulado. “Para liquidar as facturas pendentes, vários pagamentos começaram a ocorrer entre Junho e Novembro de 2017, com o pagamento final ocorrendo até 15 de Novembro de 2017”, disseram.

error: Content is protected !!