Bilionários são mais ricos do que 60% da população mundial, diz ONG

Em 2019, os 2.153 bilionários que havia no mundo tinham mais dinheiro do que 60% da população do planeta, denuncia a ONG Oxfam num relatório que seria publicado na Segunda-feira (20), e destaca a concentração da riqueza em detrimento, sobretudo, das mulheres, primeiras vítimas da desigualdade

‘Este enorme abismo é consequência de um sistema económico falido e sexista, que valoriza mais a riqueza de uma elite privilegiada, na sua maioria homens”, destaca a ONG. O informe anual da Oxfam sobre as desigualdades mundiais é tradicionalmente publicado antes da abertura do Fórum Económico Mundial (WEF) de Davos, na Suíça, ponto de encontro da elite política e económica global. O ano de 2019 também foi marcado por movimentos de protestos em todo o mundo, do Chile ao Oriente Médio, passando pela França.

“Os governos de todo o mundo devem tomar medidas urgentes para construir uma economia mais humana e feminista, que valorize o que realmente importa para a sociedade”, aponta a Oxfam, que propõe, entre outras medidas, a implantação de “um modelo fiscal progressivo no qual também se taxe a riqueza”. Segundo cifras da ONG, com base em dados publicados pela revista Forbes e pelo banco Crédit Suisse — mas cuja metodologia foi criticada por alguns economistas -, 2.153 pessoas têm agora mais dinheiro do que os 4,6 biliões de pessoas mais pobres do planeta. Por outro lado, a fortuna do 1% mais rico do mundo corresponde a mais que o dobro da riqueza acumulada dos 6,9 biliões de pessoas menos ricas, ou seja, 92% da população do planeta.

“As mulheres estão na primeira fila das desigualdades devido a um sistema económico que as discrimina e as aprisiona nos ofícios mais precários e menos remunerados, a começar pelo setor de cuidados”, afirmou Pauline Leclère, porta-voz da Oxfam France, citada num comunicado. Segundo cálculos da Oxfam, 42% das mulheres no mundo não conseguem ter um trabalho remunerado devido à carga grande demais de trabalho com cuidados nos âmbitos privado ou familiar contra apenas 6% dos homens.

Apesar de que cuidar dos demais, cozinhar ou limpar sejam tarefas essenciais, “a pesada e desigual responsabilidade do trabalho de cuidados que recai sobre as mulheres perpetua tanto as desigualdades económicas quanto a desigualdade de gênero”, diz a ONG. A Oxfam estima o valor monetário do trabalho de cuidados não remunerado das mulheres com mais de 15 anos em 10,8 triliões de dólares a cada ano.

error: Content is protected !!