O país superpovoado que poderá ficar inabitável em 15 anos

O pequeno arquipélago no meio do Pacífico não é a única nação que pode desaparecer nas próximas décadas. Outros países como Maldivas e Tuvalu também estão em perigo

Perdidas no meio do Oceano Pacífico, as ilhas que compõem o arquipélago de Kiribati correm o risco de desaparecer devido ao aumento do nível do mar associado às mudanças climáticas. Esse arquipélago, composto por 33 ilhas, das quais apenas 20 são habitadas, possui uma extensão de 811 quilómetros quadrados, menor que Londres ou a Cidade do México. Em algumas partes, porém, a densidade populacional é extrema.

O Atol de Tarawa, por exemplo, abriga mais da metade dos habitantes desta nação. Além de ser um dos menores e mais isolados países do mundo, o arquipélago também é um dos lugares mais vulneráveis ao aumento da temperatura do planeta. A expectativa é que suas ilhas sejam engolidas pelo oceano em 10 ou 15 anos, deixando sem lar as mais de 100 mil pessoas que vivem nelas. O futuro incerto de seus habitantes fez com que muitos se perguntassem o que aconteceria com todas essas pessoas depois que o Pacífico engolisse as suas casas. Há anos, as autoridades quiribatianas alertam os líderes mundiais sobre a situação de seu país, cujos moradores serão forçados a deixar a sua terra natal em breve. E, de acordo com um estudo da Environmental Justice Foundation (EJF) realizado em 2017, as mudanças climáticas criarão a maior crise de refugiados que o mundo já viu na próxima década.

Refugiados climáticos

Kiribati depende economicamente das exportações de copra e coco, da pesca, e da ajuda externa e remessas enviadas pelos seus trabalhadores no exterior. Devido à precariedade da sua economia, mas também às condições climáticas e ambientais, esse pequeno país compartilha os mesmos problemas que muitos países em desenvolvimento, como dificuldades em fornecer água, alimentos e serviços aos seus habitantes. Isso já levou os cidadãos quiribatianos a pedir asilo por razões ambientais em outros países. Ioane Teitiota, que pode ter se tornado o primeiro refugiado vítima das mudanças climáticas no mundo, envolveu-se durante quatro anos numa batalha legal contra o Governo da Nova Zelândia depois de solicitar refúgio naquele país em 2013, alegando que a sua vida e a da sua família estavam em perigo.

Mas as autoridades da Nova Zelândia rejeitaram o seu pedido, afirmando que “o aumento do nível do mar pode tornar a República de Kiribati inabitável dentro de 10 a 15 anos, mas esse tempo permite que a República de Kiribati intervenha, com a assistência da comunidade internacional, para tomar medidas para proteger e, quando necessário, realojar a sua população”. No seu pedido, Teitiota mencionou problemas como a superpopulação de Tarawa do Sul — que causou o aumento da violência e insegurança — além da escassez de água potável e da erosão. Isso não impediu que fosse deportado da Nova Zelândia em Setembro de 2015.
Superpopulação Tarawa do Sul é a capital de Kiribati, e a sua população passou de pouco mais de 1.600 habitantes em 1947 para mais de 50 mil hoje.

O êxodo de pessoas para a cidade deve-se principalmente ao facto de que outras ilhas do país se tornaram inabitáveis devido ao aumento do nível do mar. Isso tornou esse zona um dos lugares mais densamente povoados da Terra. Embora chova frequentemente em Kiribati, os tanques necessários para colectar água da chuva são escassos. Uma grande parte da população local depende de aquíferos para beber água e a sua existência também está em perigo. “Se a água do mar os alcançasse, teria um efeito imediato e catastrófico, causando salinidade por 15 meses a dois anos; isso poderia fazer com que a água não fosse mais potável”, explicou Peter Sinclair, consultor de recursos hídricos da Comunidade do Pacífico, à BBC em 2014.

A deportação de Ioane Teitiota é ilegal para a ONU Mas, numa decisão histórica, o Comité de Direitos Humanos considerou ilegal que os governos devolvam pessoas a países onde, devido aos efeitos das mudanças climáticas, estão expostas a factores que podem pôr em risco as suas vidas. O comité também disse que “os efeitos das mudanças climáticas podem expor as pessoas a uma violação dos seus direitos”.

Para Kate Schuetze, pesquisadora da organização Amnistia Internacional, a decisão “estabelece um precedente global”. “A mensagem é clara: não é necessário esperar que os Estados do Pacífico desapareçam debaixo d’água para começar a cumprir a obrigação de proteger o direito à vida”, diz ela.

Outras nações também estão em perigo Estados como Kiribati e Tuvalu estão apenas alguns metros acima do nível do mar. Por isso, diz Schuetze, as suas populações “estão expostas a sérios impactos climáticos, como acesso limitado a terras habitáveis, água potável e meios de subsistência”. Por isso, segundo ela, os governos devem levar em conta essa realidade perigosa e a ameaça iminente que o aquecimento global representa para a vida e os meios de subsistência dos povos do Pacífico.

Kiribati também abriga a reserva marinha mais importante do Pacífico Sul. Mas a descoloração severa de seus corais, resultante do aquecimento global nos oceanos, dificulta a reprodução dos recifes da região, o que piora ainda mais os perigos do aumento do nível do mar. Embora as ilhas do Pacífico estejam entre os menores emissores de gases de efeito estufa, elas sofrem desproporcionalmente as consequências das mudanças climáticas. E a falta de acção de vários países para participar em debates ambientais pode levar ao desaparecimento de Kiribati, além de outras nações como Maldivas e Tuvalu.
Por BBC

error: Content is protected !!